Surface, Onion Balls e Manon Lescaut tocam neste domingo

O domingo terá uma apresentação gratuita com bandas de rock no Barbearia Londrina a partir das 16h. Nessa edição tocarão as bandas: MANON LESCAUT (São Paulo), ONION BALLS (Arapongas) e SURFACE (Londrina), a entrada é gratuita.

Com 20 anos de estrada a banda Surface já lançou 4 cds, 1 dvd além de ter participado de diversas coletâneas - Foto: Divulgação
Com 20 anos de estrada a banda Surface já lançou 4 cds, 1 dvd além de ter participado de diversas coletâneas – Foto: Divulgação

Surface – A banda SURFACE foi formada em 1997, em Londrina PR. Mesmo com as dificuldades de se fazer Rock no interior do país conseguiu ter o nome em destaque por várias vezes. A banda participa ativamente do cenário underground nacional. Em 2007 seu 3º CD “Desafio” obteve a honrosa 6ª posição na categoria de melhor Álbum Punk / Hardcore pela Revista Dynamite. Lançou em 2014 o 4º CD e o DVD, que além de mostrar novas músicas ele faz uma retrospectiva sobre a história da banda. A banda se mantém fiel ao mesmo estilo desde o começo, Punk Rock e Hardcore. Conciliando o peso do instrumental com a melodia dos vocais femininos. Já se apresentou em várias cidades pelo país e tocou com bandas de renome.

Duo de Rock Garageiro formado em 2011 pelos irmãos Dema Pegorer (bateria e vocal) e Fred Pegorer (guitarra e vocal). Influenciados pelo punk rock dos anos 70 e pelo rock alternativo do final dos anos 80 e da década de 90 - Foto: Divulgação
Duo de Rock Garageiro formado em 2011 pelos irmãos Dema Pegorer (bateria e vocal) e Fred Pegorer (guitarra e vocal). Influenciados pelo punk rock dos anos 70 e pelo rock alternativo do final dos anos 80 e da década de 90 – Foto: Divulgação

Onion Balls – É um duo de Rock Garageiro formado em 2011 pelos irmãos Dema Pegorer (bateria e vocal) e Fred Pegorer (guitarra e vocal). Influenciados pelo punk rock dos anos 70 e pelo rock alternativo do final dos anos 80 e da década de 90. A dupla já tocou nas bandas Devaneers (1998-2005 – 03 eps lançados) e Wolf Attack (2004-2012 – 01 ep e 01 disco lançados). Formada na cidade de Arapongas, interior do norte do Paraná, onde eles nasceram e residem até hoje. A falta de opção cultural e monotonia da cidade onde vivem, deram origem aos temas recorrentes das canções da dupla. Apresentaram-se ao vivo em várias e, lançaram em 2015 seu primeiro disco na área externa do estúdio onde compõe e ensaiam.

É a primeira vez que DJF Uchida (vocalista e guitarrista), Luiz Furlan (baterista) e Alcides Amadeu (baixista) tocam no Paraná - Foto: Divulgação
É a primeira vez que DJF Uchida (vocalista e guitarrista), Luiz Furlan (baterista) e Alcides Amadeu (baixista) tocam no Paraná – Foto: Divulgação

Manon Lescaut – Os paulistanos prometem tocar faixas dos dois discos da banda, “Better Luck Next Life After Death” (2010) e “People Are Bad For Your Health” (2014), além de duas músicas inéditas – “Good Night, Morning Wave” e “Sans Everyone, Sans Everything” – que estarão no próximo disco da banda, “We Know Someone You Can Fusillade”, a ser gravado e lançado no primeiro
semestre de 2018. O novo disco deve manter a temática soturna que permeia as letras do grupo, mas DJF Uchida adianta que a sonoridade deve mudar radicalmente e que algumas das 13 músicas novas devem acabar soando como um encontro entre Toru Takemitsu (falecido compositor erudito japonês), Einstürzende Neubauten e Carpenters.


Serviço:
Domingueira Barbearia – Surface, Onion Balls e Manon Lescaut
19 de novembro, a partir das 16 horas
Rua Quintino Bocaiúva, 875, 86020-150 Londrina
Entrada Franca

Cemitério de Automóveis recebe o Surrealía Circus

Acontece nesta véspera de feriado, na Vila Cultural Cemitério de Automóveis a abertura do Surrealía. Com o tema “Circus”, o festival independente traz exposições, mostra de cinema, feira de impressos, apresentações de bandas autorais e workshops.

23551197_719364708261444_7115942437052603728_o

Os ingressos para a programação desta terça já podem ser comprados com antecedência no valor de R$15 (primeiro lote). Na portaria, o valor será de R$20. A Vila Cultural Cemitério de Automóveis conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic).

Na entrada do festival, serão recolhidos alimentos e objetos de higiene pessoal, para serem doados a moradores de assentamentos e pessoas em situação de rua de Londrina e região. A Vila Cultural fica na Rua João Pessoa, 103-A.

O Surrealía acontece desde 2015, e foi idealizado pelo artista visual e fotógrafo Yashiro Imazu, a partir de uma exposição com a artista plástica Camila Vieira. O evento tem a proposta de apresentar a expressão humana pelos diferentes meios das artes, além de divulgar uma linguagem mais aberta da criatividade visual, da cultura e música autoral. “O esquema com os artistas, é mais como um apoio… Muitos estão se formando ainda. Quando o projeto teve início muitos nem tinham lugar para expor. Nós mesmos da produção fomos atrás desses artistas, que tem um pouco a ver com a temática, pra ceder o espaço para eles, é uma forma de troca”, contou ao RubroSom o artista Endrio Salvino, que irá participar do Surrealia neste ano.

O festival também busca incentivar a economia criativa da cidade, conduzindo o público a prestigiar obras de diferentes artistas e shows autorais de qualidade. Na abertura, haverá performances nos Palcos Surreal e Galeria, e um galpão com apresentações circenses. As bandas londrinenses Aminoácido, Vulgar Gods, Red Mess e Acid Brigade se apresentam no Palco Surreal, assim como os DJ’s Fabio Indígena do Axé DJ, Gustavo Veiga, Narconauta e Carol Dutra.

No palco Galeria, estará o coletivo Aliense Sobrenatural & Bem Bolado, em um show acústico. Os espetáculos no galpão Circus ficam por conta dos palhaços e grupos As Multidançarinas, Vitor Maçarico Inácio e a Família do Circo.

No Surrealía, haverá exposição com fotografias, pinturas, desenhos e ilustrações dos artistas e designers: Sandro Branco; Carol Kozima; Marcus Vinicius; Daniel Romano; Ricardo Zolinger; Luiza Braga; Mateus Arrigoni; Mariana Franzim; Lunartty Souta e Guilherme Silveira, todos de Londrina. Participam também Lucas Bonfante; Camila Vieira; Endrio Salvino; Yashiro Imazu; Henrique Petrus e Heitor Kimura. O arquiteto e artista Christian Steagall-Condé irá realizar uma intervenção de arte urbana.

Poesias da escritora Vivian Campos, autora do livro “O Gato Comeu Sua Lua?”, estarão no festival, juntamente com obras do escritor Jean Carlo Caramanico, de Maringá. O Surrealía terá ainda instalação do “Coletivo Verso”, grupo de mulheres idealizado por Manuela Pérgola.

A Instalação Versa ficará em um espaço fixo, e consiste em um varal com biografias das autoras, um poema de cada, roupas, um texto sobre literatura de autoria feminina e sobre o propósito da instalação. O varal terá espaços vazios que devem ser completados pelos passantes. Papéis e canetas ficarão à disposição, para que o público possa contribuir com seus escritos.

Programação – As atividades prosseguem durante a semana, com encerramento oficial na sexta-feira (17), no tradicional Coffee Break Surreal, onde os artistas do Surrealía se reúnem para falar sobre suas obras em exposição e seu processo criativo em uma conversa aberta ao público. O Coffee Break Surreal terá também a presença de baristas e stands de cafés de Londrina e região, que servem seus produtos.

Ainda na sexta-feira (17), acontece o segundo dia da Feira de Impressos, onde criativos, artistas e designers comercializam e divulgam seus trabalhos. É uma ótima oportunidade para fazer contatos e conhecer melhor sobre o trabalho desses artistas, com o sabor da arte e da gastronomia londrinense. Nesse dia o Surrealía terá também apresentação do projeto “Sarau: prosa, poesia e outras delícias”, às 20 horas.

Oficinas – Para participar dos workshops promovidos durante o Surrealía, é preciso fazer a inscrição com antecedência pelo e-mail eventosurrealia@gmail.com, informando nome completo, idade e telefone para contato, juntamente com o título da oficina. As inscrições também podem ser feitas pessoalmente na abertura do festival.

Entrada – Os ingressos para a abertura do Surrealía já podem ser adquiridos nos seguintes locais: UP Bar (Av. Juscelino Kubitschek, 1.973), das 19 horas até 1 hora; Café Com Propósito (Rua Espírito Santo, 1.123), das 16 às 22 horas; Barbearia Bar (Rua Quintino Bocaiúva, 875), a partir das 20 horas; e no Max Tattoo (Avenida dos Expedicionários, 737, Rolândia).

A compra do ingresso antecipado garante a participação no sorteio de uma tatuagem de até 15 centímetros, no valor de R$800,00, com o tatuador Guilherme Augusto, do Los Vatos Tattoo.

O Festival Surrealía conta com os seguintes parceiros: Edge Studio, Tumba – Galeria de Arte, Café com Propósito, THC – This Hard Connection, UP Bar, Barbearia Bar, Ander, Rubrosom e Max Tattoo.


Programação completa do Festival Surrealía

14/11– Terça-feira
Abertura do evento com circo, bandas e DJ’s
Horário: 18 horas
Valor: R$15 ingresso antecipado, R$20 na portaria.
Classificação: +18 anos
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa 103)

16/11 – Quinta-feira
Mostra de Curtas
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103A)
Horário: 20 horas
Valor: Gratuito
*Sujeito a lotação

17/11 – 17 horas 
Coffee Break Surreal
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103A)
+ FEIRA Impressa
14 horas – Workshop Cartoon com Muka (R$20,00)
18 horas – Workshop Colagem com Carol Kozima (Gratuito)
20 horas – Sarau: prosa, poesia e outras delícias

18/11 – Sábado

Workshop Desenho Realista em Lápis Grafite
Valor: R$20,00
Local: Edge Studio (Rua Mossoró, 332, Sala 01, piso superior – Centro)
Horário: 14 horas

Região Sul – Evento de vila cultural acontece neste sábado

Devido a previsão de chuvas, a coordenação da Vila Cultural Vitória, já em funcionamento na zona sul, divulgou um comunicado informando que a festa de inauguração oficial acontece neste sábado, 11 de novembro, a partir das 14 horas.

Evento de vila cultural acontece neste sábado

As atividades previstas (shows, intervenções teatrais, lançamento de livro e interação com o público infantil) estão mantidas. O ator e poeta londrinense Valdir Rodrigues fará o lançamento da 2ª edição de seu livro “Lágrimas que Sorri”. A participação no evento é gratuita.

A Vila Cultural conta com patrocínio do Programa Municipal de Incentivo a Cultura de Londrina/PROMIC


SERVIÇO:
Inauguração da Vila Cultural Vitória

Data: 11/11/2017
Horário: A partir das 14 hs
Local: Avenida Guilherme de Almeida 3175, Ouro Branco

Música – Palco Alma em Londrina reúne atrações em 2 palcos

A AlmA Londrina Rádio Web realiza neste sábado, dia 11 de novembro de 2017, mais uma edição do projeto Palco AlmA Londrina, festival com 4 atrações musicais em 2 palcos diferentes da cidade. O destaque desta edição é a música instrumental, com André Siqueira abrindo a programação no Teatro do SESI – AML, às 20h, com entrada gratuita. Compositor e multi-instrumentista, André Siqueira é professor de música da UEL, autor do livro “Giacinto Scelsi: improvisação, orientalismo e escritura” (2011).

Siqueira gravou recentemente o CD autoral "Catamarã" (2016). Com o show "Cordas Brasileiras", André percorreu diversas cidades de Minas Gerais em outubro - Foto: Emerson Dias
Siqueira gravou recentemente o CD autoral “Catamarã” (2016). Com o show “Cordas Brasileiras”, André percorreu diversas cidades de Minas Gerais em outubro – Foto: Emerson Dias

Já no Palco AlmA do Cativeiro Bar, a partir das 23h, as atrações seguem a linha do surf music, com as bandas Kingargoolas (que, no primeiro semestre, fez uma turnê pela Europa divulgando o vinil “Tales From the Instro Zone” pela Holanda, Bélgica, entre outros países), a londrinense Búfalos d’Água (que este ano completa duas décadas de estrada com 6 discos lançados, além de participações em coletâneas internacionais, como a “Mercosurf, La surf music Latino americana” e “InstroLatin – Exóticos Sonidos Latinos”) e ainda o trio Woodsurfers (grupo também londrinense, criado em 2013, que também apresenta músicas próprias alternadas por clássicos do surf music internacional. O encerramento será com o DJ DiQ.

Palco AlmA Londrina é uma realização da rádio Web em parceria com a AlmA – Associação Intercultural de Projetos Sociais. Em edições anteriores contou com o patrocínio do Promic – Programa Municipal de Incentivo à Cultura. Este ano, o Palco será realizado graças ao Prêmio Pontos de Mídia Livre do Ministério da Cultura (MinC), concedido à AlmA Londrina Rádio Web (www.almalondrina.com.br) pelo desenvolvimento de comunicação alternativa e eventos públicos destinado à diversidade e aos estilos musicais com pouco espaço nas mídias tradicionais.

No começo do ano, o quarteto de surf music kingargoolas fez uma turnê em países da Holanda - Foto: Divulgação
No começo do ano, o quarteto de surf music kingargoolas fez uma turnê em países da Holanda – Foto: Divulgação

Desde 2014, já foram realizados 8 eventos do Palco AlmA. O último show (em 10 dezembro de 2016, aniversário de Londrina) marcou o início da parceria com o SESI-AML e ofereceu quatro bancas com apresentações gratuitas. O festival encerrou com a atração pernambucana que marcou o início do movimento mangue beat: o Mundo Livre S.A.


Serviço:

Show SESI-AML – 20h
André Siqueira (PR) – Espetáculo “Cordas Brasileiras”
Classificação:
livre
Teatro Sesi AML – em frente a Concha Acústica
Entrada gratuita

 Show Cativeiro Bar – 23h
Kingargoolas, Búfalos d’Água e Woodsurfers.
Classificação:
16 anos.
Encerramento com DJ DiQ
Avenida Castelo Branco, 1537 – Londrina
Entrada: R$ 20 ou R$ 10 + 1 kg alimento

Festival de Arte Degenerada reúne mais de 15 artistas neste sábado

Acontece neste sábado o Festival da Arte Degenerada na Vila Cultural Cemitério de Automóveis! O evento terá exposição de trabalhos de cinco artistas plásticos londrinenses. O perfil versátil destes autores é expresso no conteúdo impactante e belo de suas obras. O evento é uma realização do coletivo Mobiliza Londrina.

Permeando desde aspectos cotidianos comuns até abstrações e representações mais subjetivas, as obras suscitam reflexões sobre o “eu”, o “nu” e os tabus que ainda persistem na nossa sociedade.

A banda Maracajá é uma das atrações do evento no sábado - Foto: Divulgação
A banda Maracajá é uma das atrações do evento no sábado – Foto: Divulgação

Os estilos transitam entre o erótico, o sexual, o corpo, gênero, atividades poéticas e o abstrato, com o uso de materiais diversos e técnicas como ilustração, desenho, pintura, entre outras.

Arte puramente “degenerada” e representativa da cidade de Londrina. Artistas estreantes ao lado de nomes consagrados representando a diversidade de olhares e a livre expressão. “O Coletivo Mobiliza Londrina surge em março de 2016, com o advento do processo de golpe de estado no Brasil.Trata-se de uma frente de pauta democrática, antifascista, antigolpista, horizontal e suprapartidária. Seus membros vêm de diferentes organizações da esquerda, havendo militantes de partidos políticos, sindicalistas, participantes de outras frentes e movimentos sociais, assim como pessoas independentes.Os esforços deste Coletivo estão justamente em ampliar a resistência da esquerda no Brasil, através da mobilização conjunta de suas diferentes vertentes, frente ao estado de exceção”, contou Ester Falaschi, membro do coletivo à nossa reportagem.

Segundo a divulgação, a ideia do festival é demarcar o direito à diversidade, a despeito daqueles que pretendem “queimar em fogueiras” tudo aquilo que diverge da onda higienista que tenta calar este país.

O fotógrafo Fagner Bruno (autor de imagens clicadas durante a ocupação da Câmara Municipal) é um dos artistas que irá expôr no evento de sábado - Foto; Fagner Bruno
O fotógrafo Fagner Bruno (autor de imagens clicadas durante a ocupação da Câmara Municipal) é um dos artistas que irá expôr no evento de sábado – Foto; Fagner Bruno

Assim, o Festival da Arte Degenerada de Londrina não somente presta homenagem àqueles artistas “recusados” pelo nazifascismo, como também traz uma reflexão urgente sobre as censuras contemporâneas que a cultura, a arte e a educação vêm sofrendo pelo neoconservadorismo de extrema-direita, que joga uma cortina de fumaça, através da polêmica, nos reais problemas do Brasil, do Paraná, de Londrina e região.

Confira uma entrevista com a organização do evento:

Rubrosom – Como foi pensada a seleção dos artistas e músicos para este evento da ‘Arte Degenerada’? Além do trabalho de cada um, teve uma preocupação também em  buscar nomes que tivessem identificação com as pautas do evento?
(Nadia Val) Com certeza! O Festival, além de ser uma festa, é um ato político, de posicionamento contra a censura, o retrocesso, o golpe e contra esse conservadorismo de boutique que quer destruir a arte, a cultura, a educação, a liberdade de pensamento e vive difamando trabalhadores e minorias enquanto criam cortinas de fumaça para encobrir os verdadeiros problemas do país. Enfim, esta festa é um ato pela liberdade e pela diversidade e todos os envolvidos são voluntários, ninguém está ganhando um centavo pra participar (a grana arrecadada será revertida para as futuras ações do Mobiliza e uma parte vai para a manutenção da Vila que abriga o evento). Portanto sim, a curadoria do evento buscou artistas com consciência política e que participassem da festa pela causa. Fizemos a seleção tentando trazer para o evento artistas das mais variadas vertentes, para todo tipo de gosto e público, que sem dúvida expressassem na sua arte a inquietação e o posicionamento que o momento requer.

De uns anos pra cá, vimos realmente um ‘levante conservador’ (na cidade e no geral) contra movimentos artísticos… O que você acha que pode ter possibilitado essa ‘crescente’ conservadora (e que ainda encontrou grande apoio popular em várias cidades) em tão pouco tempo?
A onda conservadora surge mundialmente, num contexto de descrença ética institucional – devido a mais um ciclo de fracasso do capitalismo – como ilusória alternativa moralizadora e organizativa, quando, na verdade, tem atuação moralista e uniformizante. Além disso, o espalhafato midiático que o conservadorismo produz, tem a função de cortina de fumaça para a ociosidade, os desmandos, os projetos de interesse das elites e a corrupção.

O artista Higor Meija também é um dos expositores confirmados para o evento - Foto: Divulgação
O artista Higor Meija também é um dos expositores confirmados para o evento – Foto: Divulgação

A ideia é ser um festival periódico? Outras edições já estão planejadas?
(Ester Falaschi)
Estamos apaixonados pelo Festival da Arte Degenerada e a vontade de fazer outras edições é enorme! Vamos analisar, mas enquanto o Festival for espaço para a resistência libertária e a militância política, ele vai existir.
(Nádia Val)
Se for pela quantidade de gente interessada, teríamos que organizar uma por mês (risos). Além das pessoas que convidamos e acabaram não podendo participar desta vez por causa de agenda, bastou lançarmos o evento no Facebook pra nossa caixa de mensagens fervilhar de artistas interessados. Conseguimos até fazer alguns encaixes no cronograma, mas a vontade era de colocar todos! E a resposta do público ao evento também, antes mesmo dele acontecer, está sendo muito surpreendente! Acredito que todos estamos precisando de uma festa assim para elevar a alma, em meio às tensões que estamos vivendo, pra dar um respiro no meio de tanta coisa ruim que vem acontecendo aqui em Londrina. Tenho certeza que iremos sair deste evento revigorados, cheios de energia e prontos pra continuar firme e forte na luta!

Confira os nomes dos artistas e grupos participantes:

EXPOSIÇÃO ARTÍSTICA: Cezar Bueno | Dani Stegmann | Hígor Mejïa | Nenê Jeolas | Peterson Dias EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA: Ivo Ayres | Fagner Bruno de Souza | Kafo Nogueira | Matheus Pallisser | Valdir Pimenta APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS: Risoflora (Edna Aguiar) |  Grazzi Ellas (Mel Campus) | Sereia do Amazonas (Renan Cavalari Popowicz) | FILME: Arquitetura da Destruição ATRAÇÕES MUSICAIS: Adilza Carvalho | Don’t Touch Me | Fugitivos da Cuíca | Maracajá | Os Sucuris | Discotecagem: Fábio Indígena do Axé


SERVIÇO:

Coletivo Mobiliza apresenta:
FESTIVAL DA ARTE DEGENERADA
Quando: 11/11 no Cemitério de Automóveis
Classificação indicativa: Maiores de 18 anos
Entrada: 
R$10,00 (pulseira)

Música – Indayana encerra Vozes da Cidade 2017

A cantora londrinense Indayana apresenta-se na sexta-feira, 10 de novembro, às 19h30, no Centro Cultural Sesi/AML(Rua Maestro Egídio Camargo do Amaral, 130, em frente à Concha Acústica), encerrando a programação do projeto Vozes da Cidade, edição de 2017.

No show, além da MPB, Indayana explora gêneros como samba funk, soul, pop e rock, traduzidos em versos íntimos e arranjos sofisticados - Foto: Divulgação
No show, além da MPB, Indayana explora gêneros como samba funk, soul, pop e rock, traduzidos em versos íntimos e arranjos sofisticados – Foto: Zé Parizi

Os ingressos podem ser trocados por um quilo de alimento não perecível, a partir de uma hora antes do show. Este ano o projeto destacou as vozes de cantoras e compositoras de Londrina. O Vozes da Cidade é uma promoção do Sesi Londrina e tem curadoria da ImagemPalavra Produções Culturais.

No show, além da MPB, Indayana explora gêneros como samba funk, soul, pop e rock, traduzidos em versos íntimos e arranjos sofisticados. As composições autorais de seu disco lançado em 2013 e outras músicas inéditas, que farão parte do seu novo álbum, são os destaques do show de sexta-feira.

O repertório de Indayana, referência na cena musical londrinense, contará também com releituras de artistas como Novos Baianos, Clara Nunes, Elis Regina, Tetê Espíndola, Amelinha, entre outros.
A cantora preparou uma surpresa para seu público: as 30 primeiras pessoas que comparecem ao show serão presenteadas com o CD autoral de Indayana.


SERVIÇO:
Data: 10/11, às 19h30
Classificação: Livre
Valor: 1 kg de alimento não perecível (a troca do ingresso deve ser feita no local com 1h de antecedência)
Local: Centro Cultural SESI/AML
Endereço: Rua Maestro Egídio Camargo do Amaral, 130 – Centro
Observação: Sujeito a lotação

Música – Bandas de Londrina e SP tocam hoje no Heretic Manifesto

Neste sábado (14) ocorre em Londrina a segunda edição do Heretic Manifesto. As bandas Hereticae, Terrorsphere, Acid Brigade e Inverted Cross Cult serão as atrações do festival, que ocorrerá a partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103).

Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região - Foto: Lucas Klepa
Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região – Foto: Lucas Klepa

O evento, que tem como principal intuito a união de bandas autorais de metal extremo de Londrina e do Brasil afora, contará também com a discotecagem de Guilherme Corazza Pires, e seu projeto Sinfonias da Destruição. Participaram da última edição do Manifesto as bandas Guro (Grindcore/Londrina) e Talrak (Melodic Death Metal/Sorocaba-SP).

O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade - Foto: Amanda Corazza
O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade – Foto: Amanda Corazza

Os ingressos antecipados são R$10,00 e estão a venda no Bar.Bearia (Rua Quintino Bocaiúva, 875) e na Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, piso 1). Na portaria, a entrada será R$15,00.

Sobre as bandas:

Terrorsphere – Em atividade desde Fevereiro de 2014, o Terrorsphere retrata com seu Death Metal o cotidiano que acerca o mundo contemporâneo; como guerras, controle mental e comportamental. Formado pelos irmãos Werner (vocais/guitarra) e Udo Lauer (guitarra), Francisco Neves (guitarra/backing vocals) e Victor Oliveira, a banda tem marcado presença nos mais importantes eventos de metal extremo da região, tocando ao lado de nomes como Claustrofobia, Warrel Dane e Nervochaos!

O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path - Foto: Divulgação
O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path – Foto: Divulgação

SERVIÇO
14/10/2017 || À Partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis – R. João Pessoa, 103 – Centro
Ingressos antecipados: R$10,00 || Na portaria: R$15,00

|| PONTOS DE VENDA ||
• Barbearia Londrina (Rua Quintino Bocaiúva, 875)
• Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, Centro)
• Estúdio Caverna (Rua Pará, 2113)

Rafael Castro toca hoje em Londrina com Hermano Electrix

O músico Rafael Castro (SP) se apresenta nesta sexta-feira (13), em Londrina, juntamente com a banda londrinense Hermano Electrix na Vila Cultural Cemitério de Automóveis a partir das 21h. A noite conta também com a discotecagem em vinil do DJ Gustavo Veiga. A entrada antecipada custa R$ 10. O evento é uma ação entre amigos para manutenção da Vila.

O músico paulista é considerado uma das maiores revelações da música independente do Brasil nos últimos anos. O show de Castro foi eleito o melhor de 2012 no Guia do Jornal Folha de S. Paulo. Tem cinco clipes, considerados inusitados lançados e exibidos em emissoras de TV como MTV, Vh1 e Multishow, e na internet já conta com centenas de milhares de visualizações. Devido ao seu estilo camaleônico Rafael Castro é constantemente comparado a nomes que não tem nada a ver entre si como Jards Macalé, Caetano Veloso, Adam Green, Os Mutantes, Dirty Projectors e já foi chamado até de “David Bowie Tupiniquim”. Tudo culpa da crítica especializada. Neste show contará com sua banda completa: Luna França – teclado / vocais, Gui Amaral – Bateria, Eristhal Luz – Baixo / Vocais e Rafael Castro – Guitarra / Cantor.

Hermano Electrix é uma banda de rock'n'roll autoral, formada em 2015, com letras em português e influências do Punk, Soul, Funk e Blues - Foto: Divulgação
Hermano Electrix é uma banda de rock’n’roll autoral, formada em 2015, com letras em português e influências do Punk, Soul, Funk e Blues – Foto: Divulgação

HERMANO ELECTRIX – Banda de rock’n’roll autoral, formada em 2015, com letras em português e influências do Punk, Soul, Funk e Blues. Marcado pelas patadas grossas do baixista Alvarenga, pela batera garageira e ritmada de Pedrão e a guitarra cheia de estilo de Matt Dinamite, Hermano Electrix transa com a guitarra enquanto canta, rebola e faz a energia correr no palco com suas letras que grudam feito chiclete. Punk Funk e Blues intenso. Som pra dançar até o sol raiar e depois de umas horas de sono acordar cantando.


SERVIÇO
Rafael Castro (SP) e Hermano Electrix + DJ Gustavo Veiga
13 de outubro de 2017 (sexta-feira) | 21h
Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103 – Centro, Londrina/PR)
Entrada: R$ 10 antecipado / R$ 15 portaria
Ponto de venda: Casa Madá (Rua Gumercindo Saraiva, 74 – de segunda à sexta das 12h às 19h)

Festival de Dança abre inscrições para oficinas e mostra

Do balé clássico à dança africana, dos passos contemporâneos às celebrações indianas. O Festival de Dança de Londrina divulgou a lista de oficinas que traz à cidade no mês de outubro, todas gratuitas ou a preços populares. São cinco cursos com profissionais do Brasil e do exterior em diversas vertentes da dança e voltados para os mais variados públicos – dos iniciantes aos artistas com experiência. As inscrições já podem ser feitas na secretaria da Funcart (Rua Souza Naves, 2380) ou acessando o site www.festivaldedancadelondrina.art.br, onde constam informações detalhadas sobre cada atividade e os procedimentos para obter as vagas.

A oficina “Bollywood Cosmic Dance”, com Thiago Amaral (Coletivo Cosmic Dance, de São Paulo-SP) é uma das atrações do festival - Foto: Ligia Jardim
A oficina “Bollywood Cosmic Dance”, com Thiago Amaral (Coletivo Cosmic Dance, de São Paulo-SP) é uma das atrações do festival – Foto: Ligia Jardim

Na página oficinal do evento, também estão disponíveis informações para os artistas amadores ou profissionais de Londrina e região que queiram apresentar pequenos trabalhos cênicos (de até dez minutos) na mostra local, que será realizada dia 9 de outubro no Teatro Ouro Verde. Podem participar do “Dança Londrina” grupos amadores, academias, escolas, projetos socioeducativos, dentre outros. O Festival acontece de 7 a 15 de outubro e conta com patrocínio da Caixa Econômica Federal e da Secretaria Municipal de Cultura de Londrina, por meio do PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura.

Programação didática – Este ano, estão programadas as seguintes oficinas: “Balé Clássico”, com Gilmar Sampaio (BTCA – Balé Teatro Castro Alves, de Salvador-BA); “Contemporâneo – A Tua Ação na Dança”, com Tutto Gomes (BTCA – Balé Teatro Castro Alves, de Salvador-BA); “Bollywood Cosmic Dance”, com Thiago Amaral (Coletivo Cosmic Dance, de São Paulo-SP); “O Círculo da Dança”, com Faustin Linyekula (Studios Kabako, da República Democrática do Congo), e “Dança Africana”, com Fanta Konatê (Instituto África Viva, da Guiné Conacri/Brasil).

Um dos workshops que deve mobilizar maior número de participantes é o “Bollywood Cosmic Dance”, que será gratuito e terá como objetivo preparar um grande flash mob, com interação do público, para dar boas-vindas à 15ª edição do Festival de Dança. Conduzido pelo ator e dançarino paulista Thiago Amaral, o curso apresenta a “Bollywood”, dança indiana moderna que é verdadeira febre no cinema e na televisão em Mumbai, antiga Bombaim. Ele também percorre outras danças étnicas do mundo e incentiva os alunos a criarem um ritual próprio, com grande liberdade, para ser apresentado durante a performance. A oficina, com 4 horas de duração, será repetida em três ocasiões, em diferentes regiões da cidade, para abarcar o maior número de pessoas.

Outra das oficinas é “Dança Africana”, com Fanta Konatê (Instituto África Viva, da Guiné Conacri/Brasil). - Foto: Victor Barão
Outra das oficinas é “Dança Africana”, com Fanta Konatê (Instituto África Viva, da Guiné Conacri/Brasil). – Foto: Victor Barão

Além da indiana, outra tradição que estará presente com particular destaque na programação do Festival 2017 será a africana. Dois bailarinos naturais do Continente trazem a Londrina oficinas que apresentam a importância e a força da arte do movimento para esta cultura. Com um trabalho de relevância estética e social na República Democrática do Congo, Faustin Linyekula ministra um workshop gratuito sobre o “círculo” – tanto aquele no qual se dança em conjunto, quanto o que se origina como energia que envolve artista e público no ato da performance. A oficina é um oferecimento do Institut Français. Já a bailarina e cantora Fanta Konatê, de uma tradicional família de artistas da Guiné Conacri, leva os participantes a um mergulho nos ritmos da África Oeste, mais especificamente da sociedade Mandinga, cujas danças ligam-se a todas as atividades cotidianas, como o trabalho, o casamento, etc.

Completando a grade, o Festival oferece os aguardados cursos de Balé Clássico e Dança Contemporâneo, mais procurados por estudantes ou por pessoas com experiência na área. Ambos serão conduzidos por bailarinos do Balé Teatro Castro Alves (BTCA), de Salvador (BA). No primeiro, Gilmar Sampaio propõe sequências na barra e no centro para aprimorar a capacidade técnica de bailarinos, com foco em aspectos como postura, flexibilidade e fortalecimento. Já Tutto Gomes, na oficina denominada “Contemporâneo – A Tua Ação na Dança”, trabalha elementos do movimento e jogos teatrais com pessoas oriundas de diversas artes para desenvolver a criação e a presença cênica a partir do repertório pessoal dos participantes.

O Festival de Dança de Londrina tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e da Prefeitura Municipal de Londrina, por meio do PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura). O evento é uma realização da APD (Associação dos Profissionais de Dança de Londrina e Região Norte do Paraná), com apoio institucional da Funcart.


Serviço:
Oficinas e Mostra Local – 15º Festival de Dança de Londrina
Inscrições abertas
Programação detalhada e fichas de inscrição no site:

www.festivaldedancadelondrina.art.br ou na secretaria da Funcart (Rua Senador Souza Naves, 2380)
Informações: (43) 3342-2362

Barbada – Francisco El Hombre toca hoje em Londrina

Francisco El Hombre toca hoje em Londrina. Neste domingo (10), a edição 115 da Barbada terá apresentação da banda Francisco, El Hombre no palco do Bar Valentino. A festa recebe ainda o residente DJ Ed Groove e o DJ Fabio Indígena do Axé para esquentar ainda mais a festa. Os dois animam a pista antes e depois do show. A programação tem início às 18h com o Bazar Barbada, cheio de novidades em arte, moda e gastronomia. Com o Apoio Cultural do Pastel Mel! O cartaz e seus desdobramentos são produzidos com todo carinho pelo Lasca Studio!

Um acontecimento tomado por explosões rítmicas, o show da franciso, el hombre passou por importantes festivais e palcos. Entre 2015 e 2016, por exemplo, a banda fez mais de 600 apresentações - Foto: Divulgação
Um acontecimento tomado por explosões rítmicas, o show da franciso, el hombre passou por importantes festivais e palcos. Entre 2015 e 2016, por exemplo, a banda fez mais de 600 apresentações – Foto: Divulgação

O segundo semestre promete bons shows para Londrina. Depois de uma breve pesquisa na página festa, a produção da Barbada selecionou algumas bandas e agora promete surpreender o público. A banda Francisco El Hombre já era muito aguardada pelos londrinenses, ainda mais depois de uma grande apresentação no Psicodália, Festival muito frequentado e admirado pelo público da cidade. E a Barbada está de olho! Então fique ligado!

“Somos as fronteiras que cruzei”, diz um dos versos da música intitulada “Francisco, el Hombre”, que está no EP de estreia La Pachanga (2015), da banda francisco, el hombre. Talvez tal frase seja a que melhor representa o grupo formado pelos irmãos mexicanos Sebastián e Mateo Piracés-Ugarte e pelos brasileiros Juliana Strassacapa, Andrei Kozyreff e Rafael Gomes. Isso porque o quinteto encontra na estrada (e na vida cotidiana) as suas grandes inspirações, mas não só. Com letras em português e em espanhol, a banda se tornou uma peça fundamental na conexão latino-americana. Em seus shows, coloca o público de língua portuguesa para cantar em espanhol e as pessoas de idioma latino para entoar as canções em português. Para eles, não há fronteira que não possa ser cruzada.

Com o lançamento do primeiro disco da carreira, SOLTASBRUXA (2016), que tem produção assinada por Zé Nigro e participação especial de Liniker e do grupo Apanhador Só, a francisco, el hombre alcançou uma maturidade musical e ampliou o seu público, que é formado por pessoas ávidas por descobrimentos musicais. As letras do álbum abordam o momento político e social do Brasil: “Em vez de tentar dar uma cara atemporal ao CD, decidimos encarar o agora. Política faz parte de quem somos, mas no La Pachanga! isso ficou escondido”, diz Sebastián, que toca bateria e canta na francisco, el hombre.

Outro ponto-chave para o crescimento da banda foi o lançamento do clipe de “triste, louca ou má”, que já contabiliza mais de 1 milhão de views no canal do YouTube e cuja canção se tornou um hino feminista. A gravação do vídeo, inclusive, foi feita durante uma turnê por Cuba (em breve, um documentário da passagem do quinteto pela Ilha será lançado).

Um acontecimento tomado por explosões rítmicas, o show da franciso, el hombre passou por importantes festivais e palcos. Entre 2015 e 2016, por exemplo, a banda fez mais de 600 apresentações. Destaque para os festivais latino-americanos América x Su Musica (Havana – Cuba), Imesur (Santiago – Chile) e FimPro (Guadalajara – México). Também passou pela Argentina e pelo Uruguai. Em território nacional, tocou no Rec Beat (Recife – PE), Virada Cultural de São Paulo (Municipal e Estadual), Festival DoSol (Natal – RN), El Mapa de Todos (Porto Alegre – RS), Fora de Noca (Florianópolis – SC), Psicodália (Rio Negrinho – SC), Bananada e Vaca Amarela (Goiânia – GO) e Festival Tenho Mais Discos que Amigos! (Brasília – DF).

BARBADA – Projeto produzido pela BARBADA realizado mensalmente no Bar Valentino desde março de 2010. Trata-se de uma caravana que integra várias linguagens em um único lugar. Inicialmente realizada na casinha do bar – estrutura mais antiga -, atualmente ocupada todo espaço que recebe toques precisos na decoração, principalmente no palco das apresentações. O horário e preço da entrada destoam do padrão da noite londrinense fazendo jus ao nome. A festa se pauta pela diversidade, integrando música, moda, literatura, gastronomia, quadrinhos, artes plásticas e artesanato atraindo um público de jovens formadores de opinião. Hoje é uma das principais vitrines da nova música, recebendo também artistas de destaque no cenário independente local e nacional.


SERVIÇO
Festa Barbada com Francisco, el Hombre
+ DJ Ed Groove + DJ Fábio Indígena do Axé
+ Bazar Barbada
18 horas
Couvert R$ 15,00
Classificação 18 anos