Vila Cultural AlmA Brasil recebe ensaios de grupos de maracatu

A Vila Cultural AlmA Brasil inicia hoje (16) a programação de 2018 com apresentações semanais de grupos de maracatu. Às terças-feiras, o grupo “Maracatu Semente de Angola” utiliza o espaço, a partir das 19h30. Às quintas-feiras, também às 19h30,
serão os ensaios do grupo “Batuque Mulher”. Os ensaios do “Maracatu Semente de Angola” serão abertos a toda a comunidade, e os do “Baque Mulher Londrina” apenas ao público feminino. A entrada é franca, com classificação etária livre.

Maracatu Semente de Angola durante apresentação no Carnaval de 2017 - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Maracatu Semente de Angola durante apresentação no Carnaval de 2017 – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A Vila Cultural Alma Brasil conta com patrocínio da Prefeitura de Londrina, através do Programa Municipal de Incentivo à
Cultura (Promic). O endereço é Rua Mar del Plata, 93, na Vila Rodrigues.

Sobre os grupos – O maracatu é uma dança folclórica de origem afro-brasileira que surgiu no estado de Pernambuco. O ritmo é
movido pelo som de instrumentos de percussão, com coreografias específicas.

O grupo “Maracatu Semente de Angola” foi fundado em 2010, em Londrina, sob a liderança religiosa de Vilma Santos de Oliveira,
a Yá Mukumby, militante do movimento negro. É filiado aos grupos “Nação do Maracatu Porto Rico” e “Nação do Maracatu Encanto
do Pina”. Tem como principal objetivo disseminar a cultura do maracatu de Baque Virado, realizando apresentações e oficinas.

O “Baque Mulher Londrina” é filiado ao grupo “Baque Mulher Recife”, de Pernambuco, criado em 2008. É um grupo composto
exclusivamente por mulheres, que tem como missão fortalecer o empoderamento feminino por meio da manifestação cultural e
religiosa, e tem uma forte relação com o movimento feminista.

A vila – A Alma Brasil é a vila cultural que sedia a AlmA – Associação Intercultural de Projetos Sociais. É voltada,
especialmente, às manifestações da cultura popular e à comunicação popular e comunitária. A vila abriga diversos projetos
culturais, coletivos e grupos artísticos, além de promover oficinas, eventos e outros projetos em diversas linguagens.

O espaço é aberto ao público de segunda a sexta-feira, das 14h30 às 18 horas, com horários especiais aos fins de semana, de
acordo com a programação cultural.


Informações
Página da Vila Cultural Alma Londrina

Oficina Tambores traz batuqueiros de MG e PE à Londrina

Inicia nesta quinta-feira (24) na Vila Cultural Alma Londrina a Oficina Tambores, dedicada à praticas e estudos de rítmos percussivos da região da Guiné e também maracatu. Serão duas oficinas simultaneas, cada uma explorando uma linguagem e uma vertente específica.  O evento terá participação de dois ‘batuqueiros’: Luca, integrante do grupo “Badenhá Foli” de MG estará realizando a prática dedicada à tambores da região da Guiné – Notória por utilizar instrumentos diferentes como o Djembê) e Rumenig Dantas, batuqueiro da “Nação de Maracatu Porto Rico” de Recife, que trabalhará a parte dedicada ao maracatu (Veja a programação a seguir).

Oficinas coincidem com aniversário de 6 anos do grupo Semente de Angola de Londrina (Na imagem clicado em uma apresentação de 2013) - Foto: João Iramina Neto
Oficinas coincidem com aniversário de 6 anos do grupo Semente de Angola de Londrina (Na imagem clicado em uma apresentação de 2013) – Foto: João Iramina Neto

O evento terá duração de 4 dias, sempre iniciando no período da tarde. O evento coincide com o aniversário de 6 anos de atividades do grupo Maracatu Semente de Angola, de Londrina, do qual Rumenig é padrinho. “Os dois são figuras de destaque neste estudo da percussão, o Luca é uma das figuras no Brasil que mais tem se dedicado á divulgação da arte e cultura afro neste segmento”, contou ao Rubrosom a integrante do Semente de Angola Thais Hamer. Inscrições podem ser feitas AQUI. As duas oficinas se encontrarão em uma prática final durante o Sarau das Pretas, a ser realizado no domingo na Vila Kinoarte em Londrina.
15068454_1177138539006784_8499483218220263067_o

O valor de inscrição para as duas oficinas é R$100, ou R$50 para cada uma. Segundo Thais, o foco será mais dedicado ao trabalho prático já desenvolvido pelos convidados. Ela ainda pontua, que o momento é positivo para a divulgação da arte na cidade, sobretudo em relação à trajetória do Semente de Angola. “Eu acho que a cada dia o grupo está cada vez mais fortalecido, esse ano mesmo, através do edital do Promic a gente conseguiu se estabelecer e realizar atividades na área central, com os incentivos também estamos buscando disseminar nosso projeto para regiões periféricas, cada vez mais estamos abrindo o leque divulgando a arte na cidade”, pontua Thais.


SERVIÇO
Oficina Tambores – Na Vila Cultural Alma Londrina
Quando:
24, 25, 26 e 27 de Novembro
Horário: A partir das 13h
Preço: R$ 50 (Cada oficina) – Serão duas paralelas

Maracatu – Projeto recebe Mestra Joana Cavalcanti

O projeto intitulado ‘Semeando Maracatu’ realiza, na quarta-feira (24) e no sábado (27), oficinas especiais com a Mestra Joana Cavalcante. As oficinas são gratuitas e abertas ao público, especialmente para interessados no ritmo pernambucano. Os encontros tem início ás 15 horas, e serão realizados na Vila Cultural Flapt, localizada na rua Lino Sachetin, 497, no conjunto Luiz de Sá. O projeto é realizado pelo grupo de maracatu de baque virado Semente de Angola, e conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, através do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic).

14112063_1309606669051371_1955514420_n
As oficinas são gratuitas e abertas ao público, especialmente para interessados no ritmo pernambucano – Foto: Luiza Braga.

A integrante do grupo Semente de Angola, Thais Hammer, contou que a Mestra Joana é a única mulher a liderar um grupo de maracatu, a Nação de Maracatu Encanto do Pina. “Ela realiza um trabalho extremamente importante lá em Recife, e vem a Londrina nos ensinar vários conceitos com base nessa vivência. Nesses encontros, Joana vai nos trazer ensinamentos sobre as loas, que são as músicas cantadas, e também sobre o batuque, a dança e o canto da nação”, informou.

14089442_1309606652384706_743761513_n (1)
Na sexta-feira (26), uma oficina irá abordar o maracatu para as mulheres na Vila Cultural Alma Brasil – Foto: Luiza Braga.

O trabalho desenvolvido pela Mestra Joana envolve também a luta pelos direitos das mulheres. “Ela rege o grupo Maracatu Baque Mulher, em Recife, formado só por mulheres, com músicas que denunciam o machismo e a violência contra a mulher, conscientizando sobre estes temas”, disse Thais. Na sexta-feira (26), uma oficina irá abordar o maracatu para as mulheres na Vila Cultural Alma Brasil. O encontro é gratuito, e começa às 19h30, na rua Mar Del Plata, 93.

Sobre o projeto – As oficinas formativas de maracatu estão sendo realizadas desde junho na Vila Cultural Flapt. Segundo Thais, as aulas são gratuitas e ocorrem à tarde, semanalmente, com a participação de cerca de dez pessoas. “É um pessoal bem diversificado, crianças, adolescentes e adultos. Nas aulas, ensinamos o que é a dança maracatu, o toque, confecção de tambor, e nossa intenção após as oficinas com a Mestra Joana é dar prosseguimento na confecção de instrumentos e de estandarte, para fundar ali um grupo completo”, explicou.

(Com informações da assessoria de imprensa)


SERVIÇO
Projeto ‘Semeando Maracatu’ com Joana Cavalcanti
Quando:
Hoje (24) e sábado (27) às 15h
Quando: Vila Cultural Flapt (Rua Lino Sachetin, 497)
(Entrada gratuita)

Vila Cultural Flapt inicia atividades culturais de 2016

Com um nome inspirado em uma onomatopeia, e que reflete afinidade com temas ligados à literatura, e agora em novo endereço, a Vila Cultural Flapt inicia nesta segunda (18) a programação de suas atividades culturais de 2016. Situado agora no Conjunto habitacional Luiz de Sá (Região Norte) já há algumas semanas, o espaço agora está fixo em um local pertencente à associação de moradores do bairro, em uma área que beneficia a realização de atividades como a dança, teatro e música. “Enquanto espaço melhorou bastante. O espaço físico é melhor tanto interno como externo, é um espaço murado que já é muito bom para o trabalho com crianças, é uma segurança a mais. Pretendemos também revitalizar uma horta situada aqui no espaço além de também usar a área externa para eventos realizados pela Vila” comenta Luan Valeiro que é ator e também Vice-presidente da Ong Flapt. A Vila Cultural Flapt tem o apoio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC)

Membros da Flapt: Douglas Pinheiro (De vermelho em pé), Marco Antônio Nunes (Ao lado), Luan Valero (Sentado, de cinza) e ao lado dele Vanessa Nakadomari (Professora do Clube do Livro), Mirian Alves (Professora de Dança) e Franciele Vieira (Coordenadora da biblioteca comunitária).
Membros da Flapt: Douglas Pinheiro (De vermelho em pé), Marco Antônio Nunes (Ao lado), Luan Valero (Sentado, de cinza) e ao lado dele Vanessa Nakadomari (Professora do Clube do Livro), Mirian Alves (Professora de Dança) e Franciele Vieira (Coordenadora da biblioteca comunitária) – Foto: Bruno Leonel / RubroSom

A programação que inicia já nesta tarde com atividade de produção de artesanato voltada para crianças, terá atividades diversas que dialogam com várias formas de produção cultural. Oficinas de incentivo à Leitura (Clube do Livro) de teatro e até atividades envolvendo Maracatú (Com o Grupo Semente de Angola) e Hip Hop (No projeto ‘A rua dança a cidade’) marcam a programação (Veja cronograma completo a seguir). O novo endereço é também nova sede da biblioteca comunitária Biblioteca Abdias Nascimento. “Temos aqui várias publicações disponíveis, tanto da própria Flapt, desde a época em que era ‘Gibiteca de Londrina’ (Fundada em 2002) e outros livros voltadas para temas ligados à cultura de matriz africana” comenta Douglas Pinheiro, Presidente da ONG Flapt e responsável pela comunicação da vila.

Literatura Oral

Com um enfoque na leitura e também em atividades relacionadas, como a contação de histórias, a Companhia Boi Voador (Parceira da Flapt) já tem também algumas datas definidas para continuar com o projeto no mês de maio. “A oficina aqui que nós fazemos, que já tem esse lado mais formativo com as crianças, é o Clube do Livro. A gente tem essa base da literatura oral, que é como a parte afro-brasileira da literatura sobreviveu quando não podia ser escrita. E o projeto de contações vai focar nessas histórias que são contadas em terreiros e que, deveriam, ser difundidas no ensino regular. Muitas escolas se recusam, e ainda, até tem dificuldade em atender essa demanda que é exigida por lei. Nosso projeto tem o intuito de contribuir com isso” ressalta Valero, que também é diretor da Companhia.

Bacharel em estudos literários, a educadora Vanessa Nakadomari ao lado de alguns dos vários títulos publicados pela Flapt durante cerca de 14 anos de atividades - Foto: Bruno Leonel/RubroSom
Bacharel em estudos literários, a educadora Vanessa Nakadomari ao lado de alguns dos vários títulos publicados pela Flapt durante cerca de 14 anos de atividades – Foto: Bruno Leonel/RubroSom

Segundo ele, a Cia. está se reestruturando também. Nos últimos dois anos passaram a adotar um viés mais profissional. Segundo ele, essa mudança permitiu formar um repertório maior e poder trabalhar mais “Vimos essa contação de histórias como um viés mais acessível par a gente” ressalta o artista.

Programação completa - Foto: Divulgação
Programação completa – Foto: Divulgação

A programação envolve tanto membros da Vila Cultural, como também, pessoas do bairro que queiram colaborar e desenvolver projetos junto ao espaço. Membros da Flapt pensam também em realizar uma espécie de ‘cortejo’ pelo bairro de forma a chamar para as atividades da Vila e também atividades como o Maracatu e o artesanato (Cuja oficina é realizada por um colaborador do bairro). “Temos divulgado nossas atividades em escolas e em espaços em frente à escolas para tentar trazer mais crianças para o espaço. Todos os nossos projetos tem como base a cultura popular e então por isso a escolha dessas temáticas que acontecem na vila. O eixo maior da nossa companhia mesmo é o ‘Boi de Mamão’ por ser uma temática sulista, além de ser pouco divulgado por aqui” acrescenta Valero.


Serviço

Vila Cultural Flapt
Rua Lino Sachetin, 498 (Conj. Luíz de Sá)
Londrina, PR
Fone:(43) 9637-0081
Aberto: Seg a Sábado a partir das 14h