Saldo positivo – Funcart inicia reforma no circo em Janeiro

Com um valor final obtido de R$ 61 mil (Que serão utilizados para reformas no Circo Funcart) foi positivo o saldo final da campanha ‘entre amigos’ realizada pela organização do espaço durante os últimos meses. Entre novembro e dezembro, a Fundação Cultura Artística de Londrina realizou uma Ação Entre Amigos em prol do espaço, para assim, concluir reformas importantes e adequações exigidas pelo Corpo de Bombeiros. Com o iminente risco de fechamento do charmoso teatro de lona, uma multidão de Londrina e região reuniu esforços para obter o valor necessário para o início das obras.

Circo Funcart já recebeu espetáculos de grupos nacionais e internacionais como "O lendário Odin Teatret (Dinamarca), no Festival de Dança" - Foto: Fábio Alcover e Mariana Hertel
Circo Funcart já recebeu espetáculos de grupos nacionais e internacionais como “O lendário Odin Teatret (Dinamarca), no Festival de Dança” – Foto: Fábio Alcover e Mariana Hertel

A Funcart divulgou esta semana o balanço da campanha. Ao todo, foram mais de 6 mil números vendidos, obtendo-se um total de 61 mil reais, o que corresponde a mais da metade da quantia necessário à reforma geral, orçado em 100 mil reais. Com a divulgação do resultado, outra surpresa que demonstra o respeito dos londrinenses pelo trabalho da Fundação: num gesto generoso, a ganhadora, uma jornalista que não quer ser identificada, doou o prêmio do sorteio (uma moto Honda CG 125i FAN) para complementar o fundo beneficente.

A notícia chegou nesta segunda-feira (19), na ocasião em que a presidente da Funcart, Neli Beloti, fez contato com a ganhadora. Ela conta que adquiriu o número da Ação Entre Amigos quando, ao esperar por atendimento em uma agência bancária, viu o anúncio da campanha em uma rede social. Como a conta para depósito era no mesmo banco em que estava, achou uma grande coincidência e resolveu utilizar o dinheiro que tinha para a “causa nobre”. “Agora não acho mais que foi coincidência. Alguma força superior fez com que eu comprasse o número ganhador porque sabia que eu não teria coragem de ficar com o prêmio. E não tenho mesmo. Essa moto pode me dar algum conforto material? Pode. Mas a arte de vocês aproxima as pessoas de sua própria humanidade. E isso, pra mim, é a coisa mais importante do mundo”, conta a ganhadora anônima. A milhar de sorte foi a 4213, divulgada pela loteria federal no sábado (17). De acordo com a produtora Danieli Pereira, o total das obras teria um custo próximo de R$ 120 mil. “Temos já outras ações para arrecadação como um financiamento coletivo (Através da plataforma Vaquinha) e planejamos já outras ações para 2017, o Circo não conta com nenhum tipo de financiamento público, logo, estamos buscando alternativas, junto ao público, para realizar todas as melhorias”, contou Danieli.

O espaço foi usado em várias apresentações emblemáticas como o ballet Giselle - Foto: Fábio Alcover
O espaço foi usado em várias apresentações emblemáticas como o ballet Giselle – Foto: Fábio Alcover

Trata-se de um bonito desfecho para a corrente de generosidade que envolveu a campanha desde o início. A própria moto foi doação do pai de uma aluna de dança da Funcart. Ao constatar a situação calamitosa do espaço teatral quando assistia a uma apresentação da filha, o empresário reuniu por conta própria fornecedores e amigos, e conseguiu obter o valor para o prêmio. “Ele chegou para a Fundação com a moto comprada e já com a ideia de fazermos a Ação Entre Amigos”, lembra Neli Beloti. A partir de então, começou a rede de contatos entre funcionários, alunos, pais e entusiastas. “Ficamos felizes e emocionados com o reconhecimento para com o trabalho da Funcart. As pessoas não só compraram os números, mas se ofereceram para ajudar a vender. E quando agradecíamos pela ajuda, recebíamos de volta outro agradecimento: pelo nosso esforço de continuidade do trabalho artístico, mesmo em tempos tão difíceis”, destaca a presidente.

Com 23 anos de existência, a Funcart administra as Escolas Municipais de Dança e Teatro de Londrina em parceria com a Prefeitura. Hoje, possui 750 alunos, dos quais mais da metade são bolsistas integrais ou parciais. O Circo Funcart, no entanto, não conta com nenhum tipo de financiamento público. Além das apresentações das Escolas de Teatro e Dança e do Ballet de Londrina, o palco – um dos maiores da cidade – acolhe montagens de grupos independentes e de outras instituições com valores muito reduzidos, garantindo o acesso ao equipamento de cultura à classe artística local.

As reformas, previstas para o início de 2017, têm como objetivo reestruturar a arquibancada e o palco, arrumar as poltronas (herdadas ainda do antigo Teatro Ouro Verde), substituir a lona (toda perfurada pela ação do tempo), pintar o espaço com tinta antichamas e providenciar reparos na parte elétrica. Após o pontapé inicial, a Fundação pretende realizar novas campanhas para atingir a meta final e concluir as obras.

(Com informações da assessoria de imprensa)

Concerto natalino encerra Série Música nas Igrejas neste domingo

A Orquestra de Câmara Solistas de Londrina encerra a temporada 2016 e a Série Música nas Igrejas com mais uma apresentação do “Concerto de Natal”. O concerto festivo será neste domingo (18), às 20 horas, na Paróquia Sagrados Corações, na Rua Mato Grosso, 1.167, logo após o término da missa. A entrada é franca.

Com o tema “Do Erudito ao Popular”, a Mostra de Música de Câmara desenvolve uma série de concertos, com o objetivo de agregar conhecimento e valorização da cultura musical brasileira e universal - Foto: Saulo Ohara
Com o tema “Do Erudito ao Popular”, a Mostra de Música de Câmara desenvolve uma série de concertos, com o objetivo de agregar conhecimento e valorização da cultura musical brasileira e universal – Foto: Saulo Ohara

O evento faz parte da programação do Projeto Mostra de Música de Câmara 2016, que conta com o patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic). Há 18 anos, a Orquestra leva música clássica a vários espaços da cidade e região. Os amantes da boa música terão a oportunidade de apreciar grandes clássicos para orquestra de cordas. No programa do concerto serão apresentadas obras de Corelli (Concerto grosso Natalino), Bach (Concerto Brandenburgo , nº 3), Mozart (Divertimento nº 3), Tchaikovsky (Valsa da Serenata para Cordas), Piazzolla (Oblivion e Libertango), além de uma coletânea de Natal.

Com o tema “Do Erudito ao Popular”, a Mostra de Música de Câmara desenvolve uma série de concertos, com o objetivo de agregar conhecimento e valorização da cultura musical brasileira e universal. “O projeto teve início em 2011 e, desde então, vem ampliando sua abrangência e fortalecendo a integração com a comunidade. A intenção é que seja um evento aberto a todo o público londrinense. Na temporada 2016, conseguimos expandir esse alcance, levando música a diversas escolas municipais e igrejas, com uma ótima aceitação do público”, destacou a coordenadora da Mostra e produtora da orquestra, Irina Ratcheva.

A coordenadora informou ainda que, a partir de 2017, a Mostra também chegará aos distritos de Londrina. “Vamos continuar o projeto com a mesma ideia de ampliar o leque de apresentações e públicos, oferecendo eventos de música acessíveis às pessoas. Tem sido uma experiência bonita com um retorno bastante satisfatório.”

Orquestra – A Orquestra de Câmara Solistas de Londrina, fundada em 1998, atua no cenário nacional erudito, sendo considerado um dos grupos camerísticos mais conceituados do país. Seus projetos são desenvolvidos com objetivo de executar música de qualidade e, ao mesmo tempo, participar do movimento que descentraliza o acesso à cultura para formar novos públicos.

O grupo contabiliza mais de 250 concertos, seis álbuns gravados e vários prêmios nacionais recebidos, além de reconhecimento internacional. Participação em um dos mais importantes festivais de música da Europa, Varna Summer International Music Festival 2010.


SERVIÇO
Mostra de Música de Câmara 2016
Concerto Música nas Igrejas
Dia: domingo (18 de dezembro)
Horário: 20h (após a missa)
Local: Paróquia Sagrados Corações (Rua Mato Grosso, 1167)
Entrada Franca

Teatro – Donantônia será apresentada no Museu de Londrina

Neste sábado e domingo (19 e 20), o Núcleo Ás de Paus levará a montagem da peça teatral Donantônia ao Museu Histórico de Londrina. Ao todo serão duas sessões, às 15h e às 19h nos dois dias. A montagem é já o terceiro espetáculo do Núcleo, que desenvolveu o trabalho desde 2014, após a criação de ‘A Pereira da Tia Miséria’ (2010) e “Singra” (2013). Este espetáculo é uma realização do Núcleo Ás de Paus e a temporada de estreia é patrocinada pelo PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura de Londrina.

Núcleo Ás de Paus durante apresentação da peça 'Donantônia' na Vila Flapt - Foto: Bruno Leonel/RubroSom
Núcleo Ás de Paus durante apresentação da peça ‘Donantônia’ na Vila Flapt – Foto: Bruno Leonel/RubroSom

Antônia é uma senhora que adora receber visitas e, entre uma conversa e outra, um pedaço de bolo e uma xícara de café, revive lembranças de um passado distante, revelando velhos conflitos que se tornam presentes diante do público. Aquele que ingressa na casa de Antônia é também convidado a se lembrar dos tempos idos, das escolhas que formam a trama e o significado desta jornada que chamamos de vida.
A pesquisa que envolve a presente montagem possui como foco, além dos elementos de prolongamento do ator, como bastões, máscaras e pernas-de-pau, investigações concernentes à construção e direção coletiva de uma obra teatral. Para a construção da dramaturgia, a companhia convidou a escritora paulista Yara Camillo, que elaborou o texto em consonância com o desenvolvimento do trabalho. A direção musical é de Thunay Tartari, integrante do Ás de Paus, que criou canções originais para o espetáculo.

Uso experimental do espaço e montagem inovadora fazem parte da peça - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Uso experimental do espaço e montagem inovadora fazem parte da peça – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A montagem – A peça, entre outros detalhes, é notável pela sua montagem experimental e pelo uso inteligente do espaço durante o desenrolar da encenação; Três dos personagens (As ‘Antônias’) passam a peça toda caminhando sobre pernas de pau além de interagirem com a plateia. O público é dividido em lugares espalhados por todo o espaço, com a peça acontecendo no centro. Uma iluminação especial garante um tom mais ‘espectral’ à narrativa. A trama tem um tom surreal, embora dialogue com temas muito presentes na vida cotidiana como vida/morte, expectativas e a passagem do tempo. Durante a peça, o público presente é convidado também a interagir com os personagens, como em momentos onde os atores entregam café aos presentes, quase como uma forma de ‘agradecimento’ pela visita.

Na peça, as ‘Antônias’ a todo momento resgatam lembranças de um passado distante. Citam velhos conflitos que se tornam presentes diante do público. É até difícil não pensar nos relatos contados ali sem se identificar com algo do texto. “Tem vários níveis sim. A criança mesmo talvez não entenda a ‘filosofia’ toda, mas, ela fica com as imagens na cabeça, com a figura da Antônia e dos meninos. Quem já tem um pouco mais de idade, pelo menos a gente espera, já entende esse recado do texto”, contou ao RubroSom o ator André Luiz Demarchi, que participa do espetáculo.

Ficha Técnica
Direção e produção: Núcleo Ás de Paus
Dramaturgia: Núcleo Ás de Paus e Yara Camillo
Direção musical: Thunay Tartari
Elenco: Adalberto Pereira, André Demarchi, Artur Junges, Camila Feoli, Rebeca Oliveira de Carvalho, Rogério Francisco Costa e Thunay Tartari
Iluminação: Rogério Francisco Costa e Altair de Souza (Borracha)
Cenografia: Rogério Francisco Costa
Marcenaria: Claudiomar Meneguetti
Serralheria: Carlos Miguel da Silva
Figurino: Núcleo Ás de Paus
Costura: Inês Zeidel Grassi
Perucas e máscaras: Daniele Stegmann
Design Gráfico: Arthur Duarte


SERVIÇO
Donantônia no Museu Histórico de Londrina
Quando: Sábado e Domingo (18 e 19)
Horário: Às 15h e 19
Entrada Gratuita

“…E O Festival Continua” traz três concertos nesta sexta

Nesta sexta-feira (18), o Teatro Mãe de Deus recebe o evento “…E o Festival Continua”, série já tradicional do Festival Internacional de Música de Londrina (FIML), que é realizada após a edição oficial do ano, em julho. A atração da vez é o espetáculo “3 Concertos e 1 Solista”, que começa às 20h30, com a Orquestra de Câmara Solistas de Londrina, tendo como spalla e diretor, o violinista Evgueni Ratchev e como solista, o pianista londrinense Marco Antonio de Almeida, também diretor artístico do FIML.

“...E O Festival Continua” traz três concertos nesta sexta
como solista, o pianista londrinense, Marco Antonio de Almeida, também diretor artístico do FIML – Foto: Divulgação

Os ingressos custam R$20 e R$10 (meia-entrada) e estarão à venda, a partir das 14 horas, na bilheteria do Teatro Mãe de Deus, que fica na Avenida Rio de Janeiro, 670. O Festival Internacional de Música de Londrina conta com patrocínio da Prefeitura de Londrina, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic). . Para cada dois (2) ingressos adquiridos, os primeiros compradores ganham um CD com a gravação do Chorus 11, de H. Villa Lobos, com o pianista Marco Antonio de Almeida e a Orquestra Sinfônica de Göteborg (Suécia), sob a regência do maestro falecido, David Machado. A cota de CDs é limitada.

A Orquestra de Câmara Solistas de Londrina, fundada em 1998, atua no cenário nacional erudito, sendo considerado um dos grupos camerísticos mais conceituados do país - Foto: Saulo Ohara
A Orquestra de Câmara Solistas de Londrina, fundada em 1998, atua no cenário nacional erudito, sendo considerado um dos grupos camerísticos mais conceituados do país – Foto: Saulo Ohara

O programa do espetáculo será todo voltado para piano e orquestra e traz J.S.Bach, Concerto em Fá Menor para piano e orquestra BWV 1056, obra que estreou em 1729, quando o compositor ocupava os cargos de Kantor da Igreja de São Tomás e da Igreja de São Nicolau, em Leipzig, e também de diretor do Collegium Musicum da cidade. A peça enfatiza a interação entre solista e orquestra.

Do compositor W.A. Mozart será executado Concerto nº 12 para piano em lá maior – KV 414, peça que o próprio Mozart descreveu como “um meio termo feliz entre pesada demais e leve demais. Brilhante, agradável ao ouvido e natural”.

E de Ronaldo Miranda, compositor atual da música erudita brasileira, professor da USP, orquestra e solista executarão “Concertino”. A crítica traz que “os dois movimentos do Concertino realizam um atraente jogo entre o piano solista e as cordas que o acompanham”.

A Orquestra – A Orquestra de Câmara Solistas de Londrina, fundada em 1998, atua no cenário nacional erudito, sendo considerado um dos grupos camerísticos mais conceituados do país. Seus projetos são desenvolvidos com objetivo de executar música de qualidade e, ao mesmo tempo, participar do movimento que descentraliza o acesso à cultura para formar novos públicos. O grupo contabiliza mais de 250 concertos, seis álbuns gravados e vários prêmios nacionais recebidos, além de reconhecimento internacional. Participou em um dos mais importantes festivais de música da Europa, Varna Summer International Music Festival 2010.

O solista – Marco Antonio de Almeida é londrinense e iniciou seus estudos com sua irmã, Terezinha de Almeida Penna, graduando-se posteriormente na Faculdade de Música “Mãe de Deus”. Após trabalhar vários anos com o pianista Gilberto Tinetti e terminar seus estudos de Medicina, transferiu-se para a Alemanha como bolsista do DAAD (Deutscher Akademischer Austauschdienst), onde completou seus estudos de pós-graduação na “Escola Superior de Música e Teatro de Hamburgo”, sob a orientação de Yara Bernette.

 

Realização – O espetáculo “…E o Festival Continua” é uma realização da Associação de Amigos do Festival Internacional de Música de Londrina e Ministério da Cultura, com o apoio da Copel, através do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (PROFICE) – Secretaria da Cultura do Paraná. O 36º FIML é promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, Secretaria Municipal de Cultura (Promic), Casa de Cultura da Universidade Estadual de Londrina e Associação de Amigos do FIML.


SERVIÇO
Apresentação “…E O Festival Continua” com“3 Concertos e 1 Solista”
Quando:
Sexta-feira (18) ás 20h30
Onde: Teatro Mãe de Deus em Londrina (Avenida Rio de Janeiro, 670)

Teatro – Alunos da Funcart apresentam Lisistrata nesta sexta

A Fundação Cultura Artística de Londrina apresenta nesta sexta(18) de feriado a peça de formatura da turma noturna de teatro 2016, Lisístrata – A greve do sexo. O texto é baseado na comédia grega de Aristófanes, escrita a 411a.c. é considerada a primeira grande obra pacifista. A peça tem direção de Simone Andrade.

fb_img_1479227568322
Lisístrata de Aristófanes foi uma tentativa real de acabar com uma guerra de verdade – Foto: Divulgação

Trama: Cansadas de uma guerra que já durava 20 anos, as mulheres de Atenas, de Esparta, de Beócia e de Corinto (cidades gregas mais duramente atingidas pela guerra), chefiadas pela ateniense Lisístrata, decidiram por fim às hostilidades usando de uma tática pouco convencional: uma greve de sexo. Para melhor conseguir seu objetivo, ocuparam na cidade de Atenas – a Acrópole, e tomaram conta do Tesouro. Os maridos não resistiram à greve e concluíram um tratado de paz, depois de uma série de peripécias de grande efeito cômico apesar da ousadia dos detalhes.

Foto: Divulgação/Funcart
Foto: Divulgação/Funcart

Na época em que foi escrita a peça (411 a.C.), Atenas atravessava um período dificílimo de sua história. Abandonados por seus aliados, os atenienses tinham a 24 quilômetros de suas cidades as tropas espartanas. Essa luta fratricida enfraquecia a Grécia toda, pondo-a a mercê dos bárbaros. Inspirado por um profundo sentimento de patriotismo e humanidade, Aristófanes se fez porta-voz de todas as esposas e mães gregas e, por intermédio de Lisístrata, lançou um veemente apelo em favor da paz, não somente aos atenienses, mas a todos os gregos (Leia Sinopse completa AQUI)

• Classificação indicativa: 16 anos

Elenco:
Alana Maia
Ana Carolina Messias Bernardi
Anelise Kranich
Andre Severinoo
Bu Paes
Érika Sayuri
Fátima Souza
Felipe Louro
Flávia Muchiutti
Janaina Oliveira
Ju Gatez
Juliano De Souza Scoponi
Leticia Minto
Rafael Oliveira Do Carmo
Renan S. Faria
Thaís Artoni


SERVIÇO
Ingressos:
R$ 20,00 – Inteira
R$ 10,00 – Meia
Os ingressos podem ser adquiridos com os atores ou na bilheteria do local (FUNCART).

Faces de Londrina mostra seu novo trabalho

Em Londrina, a véspera de feriado terá estreia oficial do novo trabalho do projeto ‘Faces de Londrina’. Em 2016, o projeto de irá apresentar o espetáculo “Amar o próximo como a ti mesmo” nos dias 14 e 15 de novembro (segunda e terça-feira), às 19 horas, na Divisão de Artes Cênicas da Casa de Cultura da UEL (Av. Celso Garcia Cid, 205). A entrada é gratuita e os convites devem ser retirados com uma hora de antecedência (senhas por ordem de chegada).

Em 2015 o coletivo apresentou o espetáculo Re-ligar - Foto: Camila Fontes
Em 2015 o coletivo apresentou o espetáculo Re-ligar – Foto: Camila Fontes

Criado há 14 anos, o Faces é um projeto estratégico aprovado no Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), com patrocínio da Prefeitura de Londrina. Este ano, a diretora Carina Corte, idealizadora e coordenadora do projeto, leva para o palco 180 integrantes, em 13 coreografias pontuadas pela busca da alegria e, ao mesmo tempo, a tensão das relações humanas.

As coreografias foram criadas por Carina Corte, Marciano Boletti, Bruno Calisto, Jéssica Honorio, Alexandro Micale, Caroline Aleixo e Eduarda Cristina Silva, professores que orientam as turmas nas oficinas realizadas ao longo do ano, em seis escolas públicas de Londrina. “Falamos, por meio da dança, dos poderes que decidem sobre a vida das pessoas, da opressão que crianças e jovens sofrem no mundo adulto. Mas também mostramos a alegria que contagia, mesmo diante das ameaças que nos rondam sempre”, destaca Carina Corte. “Crescer é tomar consciência de que a vida é uma batalha constante, mas também é saber direcionar as lutas para o bem. Assim, quando nosso palco fica coberto por corpos jovens, de olhares brilhantes, a sensação é de renovação da vida”.

O novo espetáculo do Faces já foi visto no dia 10 de novembro, na Escola Municipal Dr. Claudio de Almeida e Silva (Jardim Atlanta). Estão agendadas mais cinco apresentações para os públicos internos das escolas municipais Pedro Vergara Correa (18/11, às 16h), Professora Ruth Lemos / Conjunto Luiz de Sá (25/11, às 16h), Eugênio Brugin / Conjunto São Lourenço (01/12, às 16h), Noêmia Alaver Garcia Malanga / Jardim Olímpico (06/12, às 9h30) e Espaço Viva Vida / São Jorge (em data e horário a serem definidos). “Amar o Próximo Como a Ti Mesmo” também será apresentado no Calçadão da Avenida Paraná (26 de novembro, às 10 horas).

História – A cada ano, o Faces de Londrina reforça sua importância como projeto de formação e inclusão de crianças e jovens por meio da dança, recebendo o apoio de instituições, pais e mães, professores, direção das escolas e voluntários. Em 14 anos, recebeu uma média de 2,5 mil alunos, que participaram das oficinas e montaram 14 espetáculos, assistidos por mais de 30 mil pessoas de Londrina e outras cidades.

A coordenação do Faces e os professores do projeto trabalham com os alunos aspectos que ressaltam a importância da dança na vida desses jovens e suas famílias: a autoestima, a sociabilidade, o relacionamento em casa e na escola, o companheirismo, a responsabilidade, o comprometimento e o trabalho em grupo.

Nos últimos anos, o projeto tem possibilitado oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissional. Alguns bailarinos que se iniciaram no Faces têm se destacado no cenário da dança: passaram pela Escola de Balé do Teatro Bolshoi no Brasil, corpo artístico do Balé de Londrina e Cia Conservatório das Artes Londrinense, entre outros. Além disso, o próprio quadro de professores do projeto já inclui ex-alunos.


SERVIÇO:
“Amar o Próximo Como a Ti Mesmo” – Espetáculo do Projeto Faces de Londrina
Dias: 14 e 15 de novembro (segunda e terça-feira)
Horário: 19 horas
Local: Divisão de Artes Cênicas da Casa de Cultura da UEL (Av. Celso Garcia Cid, 205). Entrada GRATUITA (retirar convites uma hora antes de cada apresentação).
Classificação indicativa: Livre
Duração: 60 minutos


FICHA TÉCNICA:
Direção e Coordenação: Carina Corte
Coreógrafos e Professores: Carina Corte, Marciano Boletti, Bruno Calisto, Jéssica Honorio, Alexandro Micale, Caroline Aleixo e Eduarda Cristina Silva
Assistente de Coreografia: Natalia Souza
Figurino: Alisson Rodrigues
Fotografia e Arte gráfica: Camila Fontes
Produção: Gustavo Garcia
Patrocínio: Programa Municipal de Incentivo a Cultura- PROMIC
Apoio: Conservatório das Artes Londrinense, Universidade Estadual de Londrina- Casa de Cultura da UEL
Realização: Usina Cultural e Faces de Londrina

Teatro – O Misantropo abre temporada de formandos da Funcart

Do dicionário; O misantropo (indivíduo que pratica a misantropia) é alguém que se sente desconfortável com a vida em sociedade, além de desconfiar e antipatizar com as outras pessoas… A julgar pelo significado, este é mais ou menos o tom do espetáculo apresentado nesta terça-feira, no Circo Funcart em Londrina, por formandos da Escola Municipal. A Fundação Cultura Artística de Londrina (FUNCART) apresenta o espetáculo de formatura da turma de teatro 2016 ”O Misantropo”, encenada em 318 A.C., escrita por Menandro. As apresentações ocorrerão do dia 8 à 13 (terça-feira a domingo) de novembro, às 20h. A apresentação inicia uma temporada de peças apresentadas na Funcart até o próximo dia 15 – As outras são Lisistrata e As Nuvens.

Peça O Misantropo abre temporada de formandos da Funcart

Sinopse – Nos arredores de File, vive o velho Cnêmon, um camponês furioso que mantém sua fazenda com seus próprios braços, a par da sociedade, acompanhado apenas de uma empregada e de sua filha mais nova. A moça já não aguenta mais segurar a vontade de conseguir um marido para enfim viver longe da misantropia do pai, então decide fazer uma suplica a Ninfa favorita do (não tão) poderoso deus Pã. A dupla de semideuses acaba por gerar uma serie de desventuras que obrigam o velho misantropo a lidar com as pessoas que passam pelo local e com a ideia do casamento da filha.


Direção: José Silva
Elenco:Beto Junior, Bruno Zucoloto, Celso Nascimento, Eduardo Borges, Haletéia Fioravane, Igor Brandão, Isaque Gonçalves,  Leandro Bonassoli, Matheus Moreno, Tiago Lessa, Tony Abreu, Vernumo Mungátura, Willian Monfredini


SERVIÇO
O Misantropo
Onde: Funcart -Rua Senador Souza Naves, 2380
Horário: 20h30

Shakespeare inspira comédia teatral no Circuito Cultural Sesi

A partir do dia 20 de setembro, cidades da região norte do estado recebem o Circuito Cultural Sesi com a montagem Shakespeare para todos: Muito Barulho por Nada, dirigida e adaptada por Pedro Ochôa. A peça de circo-teatro inspira-se no clássico de Shakespeare Muito Barulho por Nada, considerado um dos textos mais engraçados do dramaturgo inglês, nesta versão recebe uma dose de contemporaneidade ao ter sua linguagem adaptada para a linguagem de hoje, sem perder o brilhantismo dos diálogos que caracterizam a obra original. A peça passa por Santo Antônio da Platina (dia 20), Londrina (21), Apucarana (22) e Arapongas (23), com apresentações gratuitas.

Shakespeare inspira comédia teatral no Circuito Cultural Sesi
O espetáculo é resultado do trabalho do Circo Teatro Sem Lona, de Maringá. O elenco conta com Pedro Ochôa, que também assina a produção e a iluminação, Mateus Moscheta, Flavio Cardoso, Andressa Costacurta, Bruna Carvalho e Paula Renata Barbosa da Silva – Foto: Divulgação

O espetáculo é resultado do trabalho do Circo Teatro Sem Lona, de Maringá. O elenco conta com Pedro Ochôa, que também assina a produção e a iluminação, Mateus Moscheta, Flavio Cardoso, Andressa Costacurta, Bruna Carvalho e Paula Renata Barbosa da Silva.

Shakespeare para todos: muito barulho por nada estreou em 2015, em Maringá, e marca a primeira adaptação do clássico inglês do grupo, na linguagem de circo-teatro. De acordo com Pedro Ochôa, o texto foi escolhido devido a sua característica de ser universal, agradar a todas as idades de expectadores, podendo ser apreciada por um público eclético. Sobre o processo criativo, Pedro conta que houve bastante preparação do grupo. “Fizemos um laboratório sobre a linguagem shakespeariana, adequando a linguagem popular de rua e as técnicas circenses, trazendo as cantigas populares para a música ao vivo”, diz. O grupo Circo Teatro Sem Lona também preservou algumas características da montagem original, como as características do espaço cênico; o cenário como simulação de um pequeno teatro “Elizabetano” com varanda; a participação da plateia, fazendo referência aos nobres que assistiam às peças de lugares privilegiados; os figurinos, que lembram as roupas da época de Shakespeare, além da música ao vivo, tocada por atores do elenco.

Sobre o Circuito Cultural Sesi – O Circuito Cultural Sesi percorre todo o Paraná levando espetáculos culturais ligados as Artes Cênicas ou Música para diversas cidades e tem a proposta de oportunizar acesso ao bem cultural aos trabalhadores da indústria, seus dependentes e comunidade local.

(Com informações da Assessoria de Imprensa)


Serviço:
Circuito Cultural Sesi apresenta: “Shakespeare para todos: Muito barulho por nada”

Festival de Dança – Angústia é apresentada nesta terça

Dando continuidade à programação do Festival de Dança de Londrina, nesta terça-feira, a Cia Mênades & Sátiros apresenta “Angústia” durante a programação. Na montagem, Potapov e Seu Rocim – um homem e um cavalo – estão à espera de passageiros que possam lhe render algum dinheiro para matar a fome. O cavalo observa o dono, imerso na dor pela perda do filho em razão de uma febre. Os personagens aparecem a sós em meio ao caos. A apresentação é às 20h30, no Circo Funcart, dentro da programação do 14º Festival de Dança de Londrina.

O espetáculo se faz a partir do registro dos estados de alma dos dois personagens, que se debatem diante da tentativa – e da impossibilidade – de partilharem a dor - Foto: Fernando Martinez
O espetáculo se faz a partir do registro dos estados de alma dos dois personagens, que se debatem diante da tentativa – e da impossibilidade – de partilharem a dor – Foto: Fernando Martinez

O espetáculo se faz a partir do registro dos estados de alma dos dois personagens, que se debatem diante da tentativa – e da impossibilidade – de partilharem a dor. O homem precisa de alguém que o ouça, precisa falar sobre a morte do filho. Por mais que tente, não consegue se expressar, pois só encontra pessoas indiferentes à sua volta. Mas o cavalo está ali, ruminando enquanto ouve o cocheiro. Ambos se encontram fincados no chão, cobertos pela neve que os paralisa.

O diretor Denilson Biguete e o dramaturgo Cássio Pires partem do conto “Angústia”, do escritor russo Anton Tchekhov (1860-1904), para registrar a asfixiante solidão humana. Colocam o desafio de pensar a narração de sentimentos indizíveis por meio de um jogo que envolve a luz, o cenário e os objetos de cena. Uma lona estendida no chão. Uma roda de ferro com madeira – a carroça. A neve representada por almofadas pretas. A atmosfera densa e carregada do intenso frio russo.

Em pedaços, Iona busca se aquecer não só da neve fria. A luz dos lampiões-postes lembra a penumbra da cidade. O giz risca direções no espaço. Mãos e pés produzem o som do tempo e dos deslocamentos. O silêncio e a gaita. Respiração e corpo. No palco, os atores-narradores Marcus Andrade e Thiago Cardoso são também construtores da encenação.

A Mênades & Sátiros Cia. de Teatro, criada em 2003 com a montagem do texto “Curto-Circuito”, do dramaturgo prudentino Timochenco Wehbi, é movida pelo exercício criativo, investigativo e estético do teatro. O coletivo busca como determinação a arte do ator e as múltiplas questões e inquietações que seus espetáculos propõem. A Companhia segue sua trajetória com 11 espetáculos montados, sempre investindo em uma linguagem que possibilite dar voz aos anseios do homem contemporâneo.

Os ingressos para “Angústia” podem ser adquiridos por R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada) nos pontos de venda e, caso haja lugares disponíveis, também na portaria do Circo Funcart, uma hora antes do início da apresentação. (Com informações da Assessoria de Imprensa).


Serviço:

Angústia – Mênades & Sátiros Cia de Teatro (Presidente Prudente-SP)
Dia: 4 de outubro (terça-feira)
Horário: 20h30
Local: Circo Funcart (Rua Souza Naves, 2380)
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: 14 anos

Sarau Nº 70 – Evento fecha setembro com arte e literatura

Em Londrina, o último dia do mês de setembro reuniu artistas, escritores e também atores em Londrina durante o evento mensal Sarau: Prosa, Poesia e outras delícias, realizado no Cemitério de Automóveis em Londrina na última sexta (30). Pessoas de várias idades, e também, de diversos movimentos e grupos artísticos – Envolvendo desde atores, universitários e também curiosos – compareceram em peso ao evento, em plena última sexta do mês de setembro. O espaço conta com apoio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC)

Públicos de várias idades, incluindo artistas e eventuais curiosos acompanharam o "Sarau: Prosa, poesia e outras delícias" - Foto: Bruno Leonel
Públicos de várias idades, incluindo artistas e eventuais curiosos acompanharam o “Sarau: Prosa, poesia e outras delícias” – Foto: Bruno Leonel

Com o mote literário de ‘Histórias de Amor” o evento reuniu diversas performances artísticas além dos autores, Edra Moraes, autografando seu livro ‘Para ler enquanto escolhe feijão (Premiado pela Biblioteca Nacional) e Leandro Benevides, professor e escritor que autografava seu romance Entre anjos e flores’. “O livro foi escrito durante um período de 3 anos, o livro é surreral, fala do romance de um anjo com um vendedor de flores, preciso as vezes parar e reler o que foi feito, reescrevo algumas coisas as vezes, preciso disso para torna-los algo que está fora da realidade. É um livro que tem religiosidade, o tempo todo o vendedor de flores conversa com deus, questiona sobre o ‘destino’ dele, é uma conversa muito constante na vida do florista, é uma relação espirituosa, mas também do amor, fala da parte carnal com o anjo”, contou o autor Leandro Benevides à reportagem do Rubrosom. A escritora Samantha Abreu também compareceu como convidada do evento. Ela é autora de Mulheres sob Descontrole (Atrito Arte, 2016), lançado neste ano.

Sarau Nº 70 - Evento fecha setembro com arte e literatura
Autores Leandro Benevides e Edra Moraes (Ambos à direita), autografaram livros durante o sarau – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Com uma programação bastante variada e extensa, trazendo nomes como Jessica Bozzi, artista visual que expôs alguns trabalhos no espaço, além do jornalista e ator, Mario Fragoso, que apresentou algumas performances durante o evento.

Elimar Plínio Machado apresentou também parte do concerto Folquet de Marseille. Além da exposição de de Angelo Cesar Meneghetti , de Daniele Stegmann e Mika Akiyoshi, pedagoga, origamista e autora da instalação. ‘Quântico; oásis, deserto….’, o músico Gabriel Camilo fez também uma apresentação musical, apenas com voz e guitarra, onde tocou algumas composições próprias. “Me apresento já há cerca de um ano, minha primeira apresentação foi em um sarau como esse, em Abril deste ano, minhas referências vão desde Caetano Veloso até nomes como Boogarins, O terno e outras coisas recentes”, contou o músico, cuja apresentação minimalista casou bem com suas canções, repletas de lirismo, e também de certa melancolia. O ato de se impor, sem banda de apoio, perante o público, chamou atenção para a apresentação. Quase como uma metáfora para a imposição da própria individualidade perante outros olhares.

Gabriel Camilo durante apresentação realizada no Sarau: Prosa, poesia - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Gabriel Camilo durante apresentação realizada no Sarau: Prosa, poesia – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

Segundo a própria organização é a edição número 70 ‘Ou perto disso, no ano passado chegamos ao número 50, então devemos estar perto do septuagésimo, começamos com o evento em 2008 e, desde então, temos essa tradição aqui no Cemitério de Automóveis, o foco principal é a literatura, mas, hoje agrega muitas artes e, a gente tem uma adesão assim, tanto do público, como dos artistas, performances, teatro, é um evento que veio em um crescente, hoje é um ponto de encontro…”, contou Christine Vianna, diretora da Vila Cultural. Segundo Christiane, o ‘Sarau’ foi um dos dois projetos premiados, em todo o Paraná, na categoria correspondente pelo Ministério Federal da Cultura .