Festival de Arte Degenerada reúne mais de 15 artistas neste sábado

Acontece neste sábado o Festival da Arte Degenerada na Vila Cultural Cemitério de Automóveis! O evento terá exposição de trabalhos de cinco artistas plásticos londrinenses. O perfil versátil destes autores é expresso no conteúdo impactante e belo de suas obras. O evento é uma realização do coletivo Mobiliza Londrina.

Permeando desde aspectos cotidianos comuns até abstrações e representações mais subjetivas, as obras suscitam reflexões sobre o “eu”, o “nu” e os tabus que ainda persistem na nossa sociedade.

A banda Maracajá é uma das atrações do evento no sábado - Foto: Divulgação
A banda Maracajá é uma das atrações do evento no sábado – Foto: Divulgação

Os estilos transitam entre o erótico, o sexual, o corpo, gênero, atividades poéticas e o abstrato, com o uso de materiais diversos e técnicas como ilustração, desenho, pintura, entre outras.

Arte puramente “degenerada” e representativa da cidade de Londrina. Artistas estreantes ao lado de nomes consagrados representando a diversidade de olhares e a livre expressão. “O Coletivo Mobiliza Londrina surge em março de 2016, com o advento do processo de golpe de estado no Brasil.Trata-se de uma frente de pauta democrática, antifascista, antigolpista, horizontal e suprapartidária. Seus membros vêm de diferentes organizações da esquerda, havendo militantes de partidos políticos, sindicalistas, participantes de outras frentes e movimentos sociais, assim como pessoas independentes.Os esforços deste Coletivo estão justamente em ampliar a resistência da esquerda no Brasil, através da mobilização conjunta de suas diferentes vertentes, frente ao estado de exceção”, contou Ester Falaschi, membro do coletivo à nossa reportagem.

Segundo a divulgação, a ideia do festival é demarcar o direito à diversidade, a despeito daqueles que pretendem “queimar em fogueiras” tudo aquilo que diverge da onda higienista que tenta calar este país.

O fotógrafo Fagner Bruno (autor de imagens clicadas durante a ocupação da Câmara Municipal) é um dos artistas que irá expôr no evento de sábado - Foto; Fagner Bruno
O fotógrafo Fagner Bruno (autor de imagens clicadas durante a ocupação da Câmara Municipal) é um dos artistas que irá expôr no evento de sábado – Foto; Fagner Bruno

Assim, o Festival da Arte Degenerada de Londrina não somente presta homenagem àqueles artistas “recusados” pelo nazifascismo, como também traz uma reflexão urgente sobre as censuras contemporâneas que a cultura, a arte e a educação vêm sofrendo pelo neoconservadorismo de extrema-direita, que joga uma cortina de fumaça, através da polêmica, nos reais problemas do Brasil, do Paraná, de Londrina e região.

Confira uma entrevista com a organização do evento:

Rubrosom – Como foi pensada a seleção dos artistas e músicos para este evento da ‘Arte Degenerada’? Além do trabalho de cada um, teve uma preocupação também em  buscar nomes que tivessem identificação com as pautas do evento?
(Nadia Val) Com certeza! O Festival, além de ser uma festa, é um ato político, de posicionamento contra a censura, o retrocesso, o golpe e contra esse conservadorismo de boutique que quer destruir a arte, a cultura, a educação, a liberdade de pensamento e vive difamando trabalhadores e minorias enquanto criam cortinas de fumaça para encobrir os verdadeiros problemas do país. Enfim, esta festa é um ato pela liberdade e pela diversidade e todos os envolvidos são voluntários, ninguém está ganhando um centavo pra participar (a grana arrecadada será revertida para as futuras ações do Mobiliza e uma parte vai para a manutenção da Vila que abriga o evento). Portanto sim, a curadoria do evento buscou artistas com consciência política e que participassem da festa pela causa. Fizemos a seleção tentando trazer para o evento artistas das mais variadas vertentes, para todo tipo de gosto e público, que sem dúvida expressassem na sua arte a inquietação e o posicionamento que o momento requer.

De uns anos pra cá, vimos realmente um ‘levante conservador’ (na cidade e no geral) contra movimentos artísticos… O que você acha que pode ter possibilitado essa ‘crescente’ conservadora (e que ainda encontrou grande apoio popular em várias cidades) em tão pouco tempo?
A onda conservadora surge mundialmente, num contexto de descrença ética institucional – devido a mais um ciclo de fracasso do capitalismo – como ilusória alternativa moralizadora e organizativa, quando, na verdade, tem atuação moralista e uniformizante. Além disso, o espalhafato midiático que o conservadorismo produz, tem a função de cortina de fumaça para a ociosidade, os desmandos, os projetos de interesse das elites e a corrupção.

O artista Higor Meija também é um dos expositores confirmados para o evento - Foto: Divulgação
O artista Higor Meija também é um dos expositores confirmados para o evento – Foto: Divulgação

A ideia é ser um festival periódico? Outras edições já estão planejadas?
(Ester Falaschi)
Estamos apaixonados pelo Festival da Arte Degenerada e a vontade de fazer outras edições é enorme! Vamos analisar, mas enquanto o Festival for espaço para a resistência libertária e a militância política, ele vai existir.
(Nádia Val)
Se for pela quantidade de gente interessada, teríamos que organizar uma por mês (risos). Além das pessoas que convidamos e acabaram não podendo participar desta vez por causa de agenda, bastou lançarmos o evento no Facebook pra nossa caixa de mensagens fervilhar de artistas interessados. Conseguimos até fazer alguns encaixes no cronograma, mas a vontade era de colocar todos! E a resposta do público ao evento também, antes mesmo dele acontecer, está sendo muito surpreendente! Acredito que todos estamos precisando de uma festa assim para elevar a alma, em meio às tensões que estamos vivendo, pra dar um respiro no meio de tanta coisa ruim que vem acontecendo aqui em Londrina. Tenho certeza que iremos sair deste evento revigorados, cheios de energia e prontos pra continuar firme e forte na luta!

Confira os nomes dos artistas e grupos participantes:

EXPOSIÇÃO ARTÍSTICA: Cezar Bueno | Dani Stegmann | Hígor Mejïa | Nenê Jeolas | Peterson Dias EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA: Ivo Ayres | Fagner Bruno de Souza | Kafo Nogueira | Matheus Pallisser | Valdir Pimenta APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS: Risoflora (Edna Aguiar) |  Grazzi Ellas (Mel Campus) | Sereia do Amazonas (Renan Cavalari Popowicz) | FILME: Arquitetura da Destruição ATRAÇÕES MUSICAIS: Adilza Carvalho | Don’t Touch Me | Fugitivos da Cuíca | Maracajá | Os Sucuris | Discotecagem: Fábio Indígena do Axé


SERVIÇO:

Coletivo Mobiliza apresenta:
FESTIVAL DA ARTE DEGENERADA
Quando: 11/11 no Cemitério de Automóveis
Classificação indicativa: Maiores de 18 anos
Entrada: 
R$10,00 (pulseira)