Música – Bandas de Londrina e SP tocam hoje no Heretic Manifesto

Neste sábado (14) ocorre em Londrina a segunda edição do Heretic Manifesto. As bandas Hereticae, Terrorsphere, Acid Brigade e Inverted Cross Cult serão as atrações do festival, que ocorrerá a partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103).

Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região - Foto: Lucas Klepa
Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região – Foto: Lucas Klepa

O evento, que tem como principal intuito a união de bandas autorais de metal extremo de Londrina e do Brasil afora, contará também com a discotecagem de Guilherme Corazza Pires, e seu projeto Sinfonias da Destruição. Participaram da última edição do Manifesto as bandas Guro (Grindcore/Londrina) e Talrak (Melodic Death Metal/Sorocaba-SP).

O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade - Foto: Amanda Corazza
O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade – Foto: Amanda Corazza

Os ingressos antecipados são R$10,00 e estão a venda no Bar.Bearia (Rua Quintino Bocaiúva, 875) e na Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, piso 1). Na portaria, a entrada será R$15,00.

Sobre as bandas:

Terrorsphere – Em atividade desde Fevereiro de 2014, o Terrorsphere retrata com seu Death Metal o cotidiano que acerca o mundo contemporâneo; como guerras, controle mental e comportamental. Formado pelos irmãos Werner (vocais/guitarra) e Udo Lauer (guitarra), Francisco Neves (guitarra/backing vocals) e Victor Oliveira, a banda tem marcado presença nos mais importantes eventos de metal extremo da região, tocando ao lado de nomes como Claustrofobia, Warrel Dane e Nervochaos!

O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path - Foto: Divulgação
O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path – Foto: Divulgação

SERVIÇO
14/10/2017 || À Partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis – R. João Pessoa, 103 – Centro
Ingressos antecipados: R$10,00 || Na portaria: R$15,00

|| PONTOS DE VENDA ||
• Barbearia Londrina (Rua Quintino Bocaiúva, 875)
• Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, Centro)
• Estúdio Caverna (Rua Pará, 2113)

Cantora Mariana Degani canta hoje em Londrina

O sábado é de música ao vivo no Cemitério de Automóveis!  A cantora, compositora e artista visual paulistana, Mariana Degani vem a Londrina pela primeira vez apresentar show do seu disco solo – FURTACOR (2016). A festa começa às 21h com discotecagem da DJ Natália Monaco e continua depois do show noite a dentro.

21765517_1665365800164488_7309605539001492721_o

Mariana Degani – Furtacor (2016) – www.marianadegani.com
Como é característica de alguns materiais que “se transformam” de acordo com a luz, o movimento e o ângulo de visão, FURTACOR põe em interação canções e vídeo projeções. As imagens produzidas para cada música, entram em cena como luz e cenário, abrindo urna enorme janela que leva o público a uma viagem, com temáticas e climas que se contrapõe de forma inusitada.

O projeto estreou em São Paulo em 2014 e logo saiu em turnê pela França e Portugal, repetindo a dose no ano seguinte. No início de 2016, acompanhada do parceiro e produtor musical Remi Chatain, reformaram uma Kombi amarela, a AMARilda, e percorreram – a três – o interior do Brasil, fazendo dezenas de shows em mais 20 cidades, num total de 8000 km de estrada.

Gravado entre 2014 e 2015, em São Paulo, o disco FURTACOR (2016) tem produção musical e arranjos de Remi Chatain, e conta com a participação de músicos parceiros, integrantes da Trupe Chá de Boldo, Araticum e Loungetude46 (banda na qual Mariana fez sua estreia como cantora em 2007). A mix é de Victor Rice. A fotografia da capa é do fotógrafo carioca Jorge Bispo e o encarte é urna compilação de camadas de desenhos, fotos, tintas, bordados e texturas – o caderno da própria artista -, que também assina o projeto gráfico. O show de lançamento aconteceu no Auditório Ibirapuera, com músicos que participaram da gravação do disco e convidados. Furtacor é cor antropofágica; movimento em eterna transformação.

DJ Natália Monaco – Buscando mesclar a diversidade que o universo do vinil representa e a necessidade de reforçar a importância das mulheres e da música brasileira na construção de uma boa trilha sonora para a vida e de valorizar nossa cultura musical, Nati Monaco se aventura no Axé, Olodum, Samba e os vastos tesouros na música brasileira que botam o corpo pra funcionar no ritmo e no remexer incessante do funkgroovesoul. A questão é se deixar entregue às batidas numa troca de energia entre a atmosfera musical que se cria e os mais diversos benefícios que a música traz!

Ingresso antecipado a $10 na Casa Madá – Ateliê Coletivo de segunda a sexta das 12h às 19h. Na portaria $15.

Apoio Estúdio MeyerBodega S/ABaile do LP e Casa Madá – Ateliê Coletivo


SERVIÇO
Mariana Degani (SP) – Furtacor
Discotecagem com DJ Nati Monaco
Dia: 30 de setembro de 2017
Horário: 21h
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis.
Entrada: R$ 10 convite / R$ 15 portaria *só dinheiro! No bar aceitaremos cartão!
Ponto de venda: Casa Madá (Rua Gumercindo Saraiva, 74 – Londrina/PR) de segunda a sexta das 12h às 19h
Cantora Mariana Degani canta hoje em Londrina

Música – Cantora Luiza Lian toca hoje em Londrina

Nesta sexta (21), a cantora Luiza Lian ao lado do músico e produtor Charles Tixier apresenta o show do álbum ‘Oyá_Tempo’ no Cemitério de Automóveis em Londrina. O som começa a partir das 21h. Além do show, os Djs Gabriela Wis e Gustavo Veiga (Baile do LP) farão uma seleção especial de música na pista.

O conteúdo das letras de Luiza Lian possuem teor autobiográfico, abordam temas como sexualidade e espiritualidade - Foto: Adi Leite
O conteúdo das letras de Luiza Lian possuem teor autobiográfico, abordam temas como sexualidade e espiritualidade – Foto: Adi Leite

O trabalho contempla além das composições inéditas, um filme média metragem e um site. Um filme feito à partir da trilha e um site em que se navega por uma galáxia pixelada. A performance de Oyá ganhou destaque pela midia especializada pelas apresentações no Festival Bananada, Virada Cultural, Audio Club, MECAInhotim entre outros e o álbum já está lista de melhores do ano da APCA.

Produzido por Charles Tixier (Charlie e os Marretas/Holger), o álbum foi concebido a partir de duas vertentes: as composições/cânticos umbandísticos da cantora e sua incursão pelo mundo do “spoken word”. Envolto de uma atmosfera eletrônica, Oyá Tempo busca atualizar a ponte tradição/contemporaneidade. Sampleia e distorce músicas tradicionais, estabelece um trip-hop em diálogo direto com a música brasileira, mescla espiritualidade e vida em um funk desconstruído e aprofunda o encontro sonoro entre metrópole e raíz.

Sobre – Cantora, compositora e artista visual, Luiza Lian integra a mais nova geração de artistas da cena independente paulistana. No seu modo característico de cantar, Luiza se aproxima da música negra americana, com referências que vão do jazz de Billie Holiday ao soul e ao hip-hop de Lauryn Hill, construindo um universo musical rico e multifacetado. O conteúdo de suas letras, com forte teor autobiográfico, abordam temas como sexualidade e espiritualidade, e traduzem um vínculo com a sua produção como artista visual.

Oyá é um experiência multimidia dividida em três eixos:
horizontal (filme): http://bit.ly/OyaTempo
vertical: www.luizalian.com.br
espiral: O show!
________________________________________________________________________________

Data: 21/07/2017 – 21h
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103)
Ingresso: $10 antecipado | $15 na porta
Ponto de venda de ingresso: Casa Madá – Ateliê Coletivo (Rua Gumercindo Saraiva, 74)

Evento com música autoral acontece hoje em Londrina

Acontece neste sábado (30) em Londrina o evento Julho Nova Cena com a proposta de promover novas bandas de rock da cidade e também da região. O evento acontece a partir das 17h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103). Segundo a divulgação, a proposta do evento é direcionada ao público jovem de diversos estilos musicais como punk rock, hip-hop e também indie.

13662248_1091631774240256_5633849139825410912_o

Neste sábado sobem aos palcos da  Vila Cultural as bandas: Etnyah, Graveyard Foxe, Wild Test e Old Socks. A entrada tem o valor de R$ 12, sorteio de brindes e promoções acontecem durante o evento. O evento é uma ação entre amigos para manutenção da Vila Cultural Cemitério de Automóveis.

A Vila Cultural conta com o patrocínio do PROMIC (Programa Municipal de Incentivo a Cultura).


SERVIÇO
Julho Nova Cena
Quando:
Sábado (30) a partir das 17h
Onde: Vila Cultural Cemitério de Automóveis
Com as bandas: Etnyah, Wild Test, Graveyard Foxes e Old Socks

Sarau nessa quarta terá debate sobre mercado editorial

E tem evento literário em Londrina n quarta-feira (27)! A partir das 20h a Vila Cultural Cemitério de Automóveis apresenta o “Sarau: prosa poesia e outras delícias – Scripitix”. Durante a noite, haverá leituras de poemas, músicas, exibição de vídeos, feira de livros com distribuição de exemplares, microfone aberto e os presentes poderão degustar um caldinho de mandioca.

13724059_1234902539855209_2666500758260073348_o

A entrada é franca e aberta a toda comunidade. O início das atividades do sarau fica por conta da editora da Atrito Arte, Christine Vianna, e do editor-chefe da Editora Madrepérola, Rafael Silvaro, que receberão autores para uma conversa sobre o tema “desengavete” e sobre o mercado editorial. Segundo o editor, o mercado mudou e com ele os produtores também. “O perfil do autor de hoje não é um cara engavetado, que cheira a livro velho, com a acessibilidade da internet, isso possibilitou que diversos autores ganhassem mais voz… Escritores de hoje são fruto, como sempre, do que lêem. E encontramos textos muito bons sesses exemplares… A coisa de ‘desengavetar tem a ver com a variedade de editoras existentes hoje…” contou Silvaro à reportagem do RubroSom.

O evento contará com exposições dos artistas visuais Caio Souza, Jéssica Bozzi e Yashiro Yamasu; apresentação das bandas Logomaquia, Da Raiz e participação dos Benditos Energúmenos; além da participação da poetisa Aleteia Freitas, da atriz e escritora Edra Moraes, do ator e performer Rafael Alves Jackson, do artista visual Alex Tcho, Janaína Oliveira em uma performance de “Gota d’água” de Chico Buarque. Além desses, vários escritores estarão presentes na Feira de Livros “Leia Londrina”, que trará exemplares pelo preço de R$ 10,00. A Vila cultural conta com patrocínio do Programa Municipal de Incentivo á cultura – PROMIC.

De acordo com a divulgação, a intenção do sarau é fazer uma homenagem ao Dia do Escritor. O evento é um projeto selecionado e aprovado para a bolsa de fomento à literatura do Ministério da Cultura. Ele foi idealizado por Christine Vianna, e é realizado mensalmente pela Vila Cultural Cemitério de Automóveis, que conta com o patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura, da Prefeitura de Londrina.


SERVIÇO:
Sarau: prosa poesia e outras delícias – Scriptrix
*Este projeto foi selecionado pela bolsa de fomento à literatura do Ministério da Cultura
Data: 27 de julho de 2016
Horário: 20 horas
Local: Vila Cultural Cemitério de Automóveis – Rua João Pessoa, 103-A
Entrada franca, e quem quiser, pode trazer um prato de doce ou salgado.

Entrevista – Banda Wry toca nessa semana em Londrina

A banda sorocabana Wry (Uma das mais clássicas do rock alternativo brasileiro da virada dos anos 90/2000) se apresenta em Londrina no próximo dia 04 de Junho. O grupo toca no evento Undergaia, na Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103), que também contará com a participação da banda Loladéli (Já entrevistada aqui no RubroSom) além de discotecagens de Carol Dutra e Flávio Testa.

Novo disco de inéditas da banda começa a ser produzido ainda neste ano - Foto: Fabrício Vianna.
Novo disco de inéditas da banda começa a ser produzido ainda neste ano – Foto: Fabrício Vianna.

Wry debutou no ano de 1994 quando tocou em festivais como o Juntatribo II, em Campinas/SP. Influenciados pelo rock britânico, e cantando em inglês o grupo carregava referências de bandas como Jesus and Mary Chain, My Bloody Valentine, Legião Urbana e U2. No ano de 1995 gravaram a primeira demo-tape intitulada Morangoland e desde seguiram tocando por várias cidades do país, e também, fora – Como durante o período em que se mudaram para a Inglaterra no ano de 2001, e ficaram por quase 8 anos. De volta ao Brasil, baseados novamente na cidade de Sorocaba, lançaram o trabalho ‘She Science’ de 2009 e pouco tempo depois entraram em hiato.

De lá pra cá, os membros se envolveram em projetos pessoais (Como a inauguração do Asteroid Bar, em Sorocaba) e mais recentemente, no ano de 2014, após um celebrado ‘show de retorno’ , decidiram cair na estrada novamente… A nova turnê parece ter ‘reacendido’ a chama e o grupo inclusive já se prepara para gravar um novo disco de inéditas. Enquanto o trabalho não chega, fãs podem conferir o vinil Whales, Sharks and Dreams, (Sonovibe) – Edição especial remasterizada dos EPs ‘Deeper in a Dream’, lançado originalmente em 2014 e Whales and Sharks, lançado na Inglaterra em 2007 pelo selo Club AC30. Com 10 faixas o disco conta com a inédita  “Million Stars”. A bolacha de 12 polegadas pode ser encontrada em lojas especializadas, entrando em contato com a banda.

Aproveitando a passagem do WRY por Londrina, o RubroSom entrevistou o vocalista e guitarrista Mario Bross que contou um pouco sobre o atual momento do grupo, relembrou algumas histórias e falou também sobre o futuro. Confira a entrevista:

Depois de alguns anos sem tocar, vocês fizeram um show de ‘volta’ em 2014 que foi recebido com entusiasmo pelo público… Como foi esse retorno para o Wry? O entusiasmo pra mais shows voltou ali, ou, já tinham planos de prolongar isso?
Depois que paramos em 2010, devido ao Asteroid que tomava nosso tempo, não pensávamos em voltar… O bar já alimentava nosso vicio por produção musical. Acontece porém que teve um encaixe de datas, na qual todos os membros estariam na mesma cidade na mesma época que celebraríamos a formação do WRY, foi dai depois desse show comemorativo que a chama reacendeu de vez e muito mais forte.

Como tem sido a rotina da banda hoje? Agora com o Asteroid (Bar) imagino que ficou mais corrido pra todo mundo…
O Asteroid tem uma equipe boa que trabalha com a gente, o pessoal é muito profissional e sabe o que faz. É corrido porque estamos no meio de shows, mas conseguimos tirar de letra e a rotina está muito boa. Lógico que não nos desligamos do bar, que é algo que amamos igualmente.

Vi algo sobre o ‘próximo disco’ de vocês ser planejado para soar como um trabalho um pouco diferente (Outros arranjos, ecletismo)… Diferente, exatamente, em quais aspectos? O que dá pra adiantar sobre o disco?
Menos paredes de guitarras, mais espaço pra arranjos diferentes nos vários aspectos da canção, e com bastante oxigênio. Eu diria que mais livre, saindo dos limites que um gênero mais exclusivo pode traçar.

Em que passo ele anda aliás? Tem muitas faixas prontas já?
Estamos trabalhando com 8 músicas no momentos e outros ideias surgindo. A gente grava, mas é uma pré-produção, só entraremos em estudio em definitivo por volta de outubro.

A banda surgiu em uma época onde havia muitas revistas/rádios de rock – Havia todo um ‘aparato’ que contribuía com as bandas… Hoje, os tempos são outros, o rock especialmente tem menos espaço na mídia… Esse tipo de coisa pesa para o Wry de 2016? Vocês se consideram talvez ‘sobreviventes’ dessa geração?
Hoje é diferente, mas acho que nesse exato momento está surgindo uma nova vida pra música independente, sentimos que está se engrenando apesar de muitos defeitos ainda. Desde a volta já fizemos uns 50-60 shows e dá pra notar uma melhora, uma preocupação maior daqueles que estão organizando. Ainda não chega a ser plausível, mas só o fato de começarem a entender o motor do negócio, é um passo muito legal!

A banda se mudou para Inglaterra em meados de 2000, em uma época onde poucas bandas nacionais (Pelo menos conhecidas) arriscavam esse tipo de coisa… Qual você acha que foi a maior conquista dessa temporada? Teve também pontos negativos dessa época?? (Alguma coisa que talvez, se fosse hoje, fariam diferente).
Não mudaria nada, gosto do jeito que foi até hoje e onde estamos, é claro que se tivesse mais dinheiro voltaria mais vezes pro Brasil na época gringa. É muito dificil o mundo do “se…”, na verdade. de qualquer forma, nossa época na Inglaterra foi fantástica, anos incríveis, de muito aprendizado. Ponto altos foram os shows grandes que fizemos com Ash, The Subways e The Rakes, o lançamento com o selo londrino Club AC30 e a presença do My Bloody Valentine em um dos nossos shows, o qual amaram, e depois na minha vida particular conversar várias vezes com Kevin Shields, um idolo musical pra mim.

Daria pra citar duas bandas nacionais (e duas estrangeiras) da atualidade que vocês gostem do trabalho?
Tame Impala e M83, das internacionais e das nacionais fica dificil, curtimos várias, Lava Divers, Justine Never Knew The Rules, INKY e Thiago Pethit.

Há um certo ‘revival’ atualmente de bandas que, foram populares nos anos 90, e que hoje, de volta aos palcos percebem que possuem um público ainda maior do que naquela época (My Bloody Valentine, Slowdive, etc…) embora vocês estivessem na ativa por mais tempo (Até 2011) acha que o Wry atingiu esse status de ‘banda clássica’??
Dentro do alternativo nacional eu diria que sim, apesar de termos vivido aqui até 2001 e depois voltamos só em 2009. Depois de 2001 só tocamos no Brasil em 3 turnês, todas na forma de 15 a 18 shows. Eu acho que de certa forma tem muita gente pra conhecer o WRY ainda.

Sobre os shows dessa turnê… Com tantos discos, tem sido difícil escolher as músicas do setlist? Tem mais faixas ‘clássicas/obrigatórias’ ou faixas mais recentes também?
Nesse show tem músicas de todos os trabalhos, fazemos de 12 a 13 músicas no show num espaço de 60 minutos. Tá bem divertido!

Até aqui, qual você considera o melhor trabalho do Wry? Tem alguma história curiosa dos bastidores da gravação, ou da época em que o ‘mesmo’ foi realizado??
Olha eu achava que era o EP inglês Whales and Sharks (Que está dentro do LP Whales, Sharks and Dreams 2016), mas agora com os novos trabalhos, que estamos fazendo, eu posso dizer com clareza e firmeza, o nosso próximo disco é o meu preferido! Alguma curiosidade? Já tropecei em disco de ouro (ou platina) do Is This It dos Strokes na época da gravação do Flames in the Head, porque gravávamos com o Gordon Raphael (Que produziu os dois primeiros dos americanos). E ter Tim Wheeler, do ASH, fazendo ‘backing vocals’ pra você na gravações de In the Hell of My Head é maravilhoso né?


Serviço
Undergaia – Com Wry + Loladéli (+ Discotecagens)
Quando:
Sábado (04/06)
Onde:
Cemitério de Automóveis
Quanto:
R$ 15 (Até às 23h) depois R$20

O Cemitério de Automóveis conta com o apoio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC)

Sarau ‘Prosa Poesia e Outras Delícias’ acontece hoje em Londrina

Acontece nesta quinta-feira (31) às 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis o ‘Sarau Prosa Poesia e Outras Delícias’, que integra a comunidade londrinense à diversas vertentes artísticas como a literatura, artes visuais e às artes cênicas. O evento realizado mensalmente acontece na Vila desde 2008. A entrada é franca. Aos participantes, é pedido pedido apenas que contribuam levando um prato de doce ou salgado.

O tema escolhido para esta ocasião é a mulher. Artistas londrinenses pretendem homenagear grandes nomes da literatura, música, teatro, cinema, pintura, e também mulheres atuantes em outras áreas.

sarau mulher

Entre as atrações confirmadas temos a escritora Luciana Leopoldino Oliveira, discutindo os desafios de uma mulher escritora, a performance da atriz e musicista Bruna Paes, também a poesia na música de Maysa Matarazzo pela atriz Leandra Marcelle Azevedo. A atriz e performer Luciana Guedes dará voz a poesia feminina juntamente com Christine Vianna, além de encenações com os atores Mateus Moreno, Celso Soares, Valdir Oliveira, Alana Maia e Ju Gatez. A escritora Samantha Abreu, convocou suas “Mullheres sob Descontrole”, Mário Fragoso traz Conceição Evaristo, Elisabete Ghisleni vem com um repertório novinho e a a exposição “Mulheres Azuis” e muito mais.

Segundo a divulgação, qualquer pessoa pode participar das apresentações do evento, bastando comunicar antecipadamente a produção da Vila Cultural Cemitério de Automóveis.

O “Sarau prosa poesia e outras delícias” é um projeto aprovado Ministério da Cultura (Em todo o estado do Paraná somente dois projetos foram aprovados), idealizado por Christine Vianna, é realizado mensalmente pela Vila Cultural Cemitério de Automóveis que está em atividades ininterruptas desde 2007 e desenvolve diversos trabalhos que levam a arte e a cultura à comunidade londrinense e região. A Vila Cultural também conta com patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC).


Serviço

Vila Cultural Cemitério de Automóveis
Rua João Pessoa, 103, Londrina