Projeto de samba circula por bairros de Londrina no Carnaval

Realizado nas 4 regiões de Londrina, Paraná, o projeto O Samba Atravessa Londrina faz sua terceira edição com eventos temáticos dando ênfase a cultura do samba (seus desdobramentos como conjuntos de samba e pagode) (e suas origens como o maracatu) além de bateria de samba, vocal, rainha da bateria, dançarinos e integrantes caracterizados da Escola de Samba Explode Coração nos dias 9; 10; 12 e 13 de fevereiro de 2018.

Neste ano, o projeto traz a edição de uma revista com personalidades que contribuíram com a história e a cultura negra no interior do Paraná - Foto: Rei Santos/Divulgação
Neste ano, o projeto traz a edição de uma revista com personalidades que contribuíram com a história e a cultura negra no interior do Paraná – Foto: Rei Santos/Divulgação

A agenda dos eventos gratuitos do projeto:
09/02, Sexta-feira, das 18 às 22 hr, Quadra de esportes da Praça da Juventude da Zona Sul
10/02, sábado, das 18 às 22 hr, Conjunto Mr Thomas (Rua José Martins de Oliveira entre as ruas José Tetuo Saito e Itália Choucino)
12/02, segunda-feira, das 18 às 22 hr Quadra de esportes da Praça do CEU no Jardim Santa Rita
13/02, terça-feira, das 18 às 22 hr, Centro Cultural Lupércio Luppi na Avenida Saul Elkind, Zona Norte.

Com informações da assessoria de imprensa


ROTEIRO DOS SHOWS

  • Abertura com Grupo maracatu pé vermelho, coordenado pelo músico Clodovil Morais.
  • Bateria da escola de samba explode coração, coordenada pelo músico Rogério de Oliveira e a Cia Flap de
  • Dança, coordenada pelo dançarino Marquinhos Flap
  • Show de samba e pagode com repertório tradicional dos grandes compositores do samba brasileiro com o Grupo Bagunçaê, organizado pela musicista Indayana Oliveira.

Sarau com música e declamações ocorre nesta sexta em Londrina

Promovido pela editora da cidade, Madrepérola, o evento será um sarau com palco aberto para declamações e apresentações artísticas.  O tema central do Sarau será falar sobre a produção literária, haverá o bate-papo literário com o tema “O artista londrinense”.

catazsarau_dalianegra

“O objetivo do Sarau Madrepérola é fortalecer ainda mais o interesse pela leitura em nossa cidade. Encontramos em cada canto de Londrina possíveis autores com talento para escrita que não são lidos. O sarau seria o convite a todo aquele que possui seus textos guardados, ou para quem já tem seu livro publicado se manifestar, chegar lá de pulmões cheios e soltar a sua voz, sua poesia e o que tiver para ser dito. Esperamos que o público conheça e saiba cada vez mais quem são esses poetas, cronistas, contistas e romancistas com talento de sobra para contribuir com a formação da literatura brasileira atual”, aponta Rafael Silvaro, editor da Madrepérola.

Conforme a música toca, local escolhido foi o lindíssimo Nosso Sebo, localizado na rua Paraíba, 205 (próximo ao Sesc Londrina). Com espaço ao ar livre, o Nosso Sebo traz a atmosfera nostálgica necessária para se apreciar um livro, quadrinhos e revistas com calma e bons ares. O sebo que ainda possui vinis e raridades no melhor estilo possível.

Encabeçarão o bate-papo os autores convidados Cinthia Torres, Jean Carlo Barusso, Fernando Fiorin, autores de Londrina e região.

O evento também contará com a apresentação da banda Dália Negra, formada por artistas da cidade de Londrina que apresenta letras embasadas em clássicos da literatura e faz referência a compositores nacionais.


Informações
Data: 09 de fevereiro de 2018
Local: Nosso Sebo (R. Paraíba, 205, centro)
Horário: 19h
Entrada Franca

Metal Internacional – Festival acontece em Londrina na semana do carnaval

Além dos tradicionais blocos de rua e dos tradicionais bailes de marchinhas, Londrina terá uma opção de música pesada durante a semana do Carnaval. O festival Open Air Festival, com bandas de países como Argentina e Colômbia acontece entre 10 e 12 de fevereiro.

27504056_1147465002023863_7302886703833425363_o

O evento, que durante 5 edições foi sediado em São Paulo (SP), desembarca em território “pé-vermelho” no formato “open air” (ao ar livre) em uma chácara na zona leste da cidade.

Mais de 30 bandas de diferentes países da América Latina estão escaladas para o festival. No palco principal “Open the Road” se apresentam grupos de maior destaque no cenário musical, como Massacre (Colômbia) Atomic Agressor (Chile), Interceptor e Metaluria da Argentina, além de bandas brasileiras como Genocidio, Leviaethan e Holocausto. “É um cast totalmente voltado
para uma união de nosso continente sul americano”, afirma Silvio Rocha, organizador do evento. Os shows do palco principal começam às 15 horas e vão até às 22h. Na sequência começam as atrações com entrada franca, do palco “Let it be Free”. A maior parte desse cast é formado por bandas de Londrina e região, mas também há grupos de Curitiba, São Paulo e Argentina.
Com quase 12 horas de programação musical diária, o Open the Road Festival também vai contar com estrutura para camping, food-trucks, cervejas e chopps artesanais, drinks exclusivos, restaurante, cafés especiais e outras atrações.
O público deve chegar de vários pontos do Brasil. Já há confirmação de excursões paranaenses, dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo, além de uma de El Dorado, na Argentina. Muitos fãs vão pernoitar na área de camping do evento, que já atingiu a lotação máxima.

Os ingressos podem ser adquiridos através do site Ticket Brasil ou em pontos físicos relacionados no site da Open the Road Agency, empresa organizadora do festival.
A entrada inteira, para um dia de evento, custa R$ 200, mas quem aproveitar a compra antecipada paga o valor promocional de R$ 120. A meia entrada sai por R$ 100. Quem quiser acompanhar toda a programação pode comprar um combo, que da acesso aos 3  dias de shows e estacionamento. O valor da entrada inteira é de R$ 300 e com a promoção sai por R$180. Já a meia custa R$ 150.

O Festival: Organizado pela agência londrinense Open the Road, o evento já teve 5 edições, que contaram com nomes de peso e de diversas regiões do mundo, como Benediction (Inglaterra), Nile (EUA), Assassin (Alemanha), Ratos de Porão (Brasil) e Metalucifer (Japão).

Na 6ª edição, a agência decidiu migrar o festival para Londrina, o que foi possível graças a diferentes patrocinadores e apoiadores da cidade. Além de ser estruturado no formato “open air” (ao ar livre), o evento passou a dar maior ênfase à união do continente latino-americano. “Tendo como meta tornar-se uma referência de união entre os países do México ao extremo sul da América do Sul”, destaca o proprietário da agência, Silvio Rocha.


Serviço
Open the Road Festival 
Data: 10, 11 e 12 de fevereiro de 2018
Local: Xákara Eventos, Estrada dos Limoeiros – Estrada dos Pampas 153 (Londrina/PR)
Ingressos: AQUI
Valores:
Pista Individual para um dia
R$ 100,00  – Meia-entrada
R$ 120,00 – Promocional
R$ 200,00 – Inteira
Pista para os três dias (Combo) • Ingresso + Camping (esgotado) + Estacionamento
R$ 150,00 –  Meia-entrada
R$ 180,00 –  Promocional
R$ 300,00 – Inteira
Estacionamento – Limitado para 150 carros – R$ 20,00 por dia

Carnaval da resistência – Artistas e músicos realizam matinê na Alma Brasil

Músicos, artistas, produtores culturais e foliões (De várias idades) compareceram na última segunda-feira (27) à Matinê de Carnaval realizada na Vila Cultural Alma Brasil (Vila Brasil). O evento foi organizado por alguns dos produtores culturais e artistas que, inicialmente, realizariam projetos durante o feriado com o apoio do Programa Municipal de Incentivo à cultura (Promic). Com o súbito cancelamento do edital, produtores optaram por realizar uma serie de eventos como forma de resistência, e ainda, para atender o público que sempre comparece aos carnavais populares da cidade.

Público compareceu e celebrou várias 'marchinhas' tocadas pelo Cordão da Serpentina - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Público compareceu e celebrou várias ‘marchinhas’ tocadas pelo Cordão das Serpentinas – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

O primeiro deles ocorreu na última quinta (22) no Centro de Convivência da Pessoa Idosa (CCI)  e um total de quatro eventos (Até esta terça) serão realizados. O trabalho para a produção das apresentações havia já começado quando o cancelamento foi publicizado “Iniciamos há algum tempo sim. Para este carnaval do CCI, já estamos com todo o figurino pronto (Para a parte cenográfica) e também há dois meses estávamos ensaiando um repertório de 60 canções… Após essa notícia do cancelamento, todos os músicos se voluntariam para fazer essa apresentação e pudemos contar ainda com a equipe do carnaval das marchinhas que participará também”, contou Camila Taari do Cordão das Serpentinas. O grupo foi o primeiro dos três ‘blocos’ que se apresentou durante a segunda na Alma Brasil levando marchinhas clássicas e canções de carnaval ao espaço. O evento também contou com apresentações do Maracatu Semente de Angola, da Pisada da Jurema, e ainda, a Cia. Boi Voador que fez performances no local.

Por volta das 16h o pessoal do Cordão das Serpentinas iniciou o 'bloco' com marchinhas de carnaval - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Por volta das 16h o pessoal do Cordão das Serpentinas iniciou o ‘bloco’ com marchinhas de carnaval – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A diversidade de idade – Com foliões indo desde adolescentes, pessoas mais velhas e até mamães com crianças pequenas – foi um dos chamativos do evento. Não era comum ver famílias inteiras participando da cantoria e das marchinhas, e até, puxando um trem elétrico durante alguns momentos das apresentações do Cordão das Serpentinas. Toda a renda obtida com a bilheteria (Adultos pagavam R$ 10 e crianças R$ 5) foi revertida para os próprios artistas e também para bancar gastos, já feitos previamente, durante os preparativos para o carnaval.

Artistas da Cia Boi Voador (em destaque) também participaram da matinê do último domingo (27) - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Artistas da Cia Boi Voador (em destaque) também participaram da matinê do último domingo (27) – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A Cia de teatro Boi Voador também animou o evento com performances de perna de pau e também interagindo junto com os presentes. Mesmo com todas as adversidades, os coletivos todos mostraram uma possibilidade de um ‘carnaval popular’ ainda que tenham tido pouco tempo para os preparativos. A festa ainda contou com cantos e percussões do grupo Pisada da Jurema, que envolveu ao público e seguiu com uma apresentação enérgica (Em todos os sentidos) e bastante inspirada do Maracatu Semente de Angola, que encerrou os trabalhos, tocando até perto das 22h. O evento não apenas celebrou o carnaval de forma festiva, como também, uniu cores, referências e linguagens distintas em prol de um mesmo sentimento.  O público apreciou, e para os artistas, o saldo foi positivo.

Pisada da Jurema foi o segundo 'bloco' da matinê com seus cantos e percussões - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Pisada da Jurema foi o segundo ‘bloco’ da matinê com seus cantos e percussões – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Muitos dos presentes concordaram que foi um evento de resistência. “Quiseram acabar com o carnaval na cidade, mas isso a gente não permite… Estamos sim com problemas sérios (pela questão do patrocínio), tivemos despesas e um investimento prévio e ai tivemos que brecar tudo…. Mas por uma questão de resistência, e também, de estarmos juntos, resolvemos manter a programação. A gente quase que paga para trabalhar, deixa de receber por outros trabalhos que podia estar fazendo até o aluguel de equipamentos”, contou Luan Valeiro, membro da Cia Boi Voador.

Segundo Luan, que também trabalha junto á Vila Cultural Flapt (Região Norte) a atual situação permite até falar em sabotagem do carnaval, por parte de setores contrários à sua realização. “Como gestor cultural, e acompanhando movimentos que aconteceram (Tanto do patrocínio e do carnaval), eu diria que foi uma sabotagem sim, eu sei que há muita perseguição à certos movimentos… Há articulações hoje que tentam tirar a ideia de que a cultura é um bem público, que deve ser financiada pela verba pública, é nisso que eu acredito e é nisso que acredita a Rede Brasileira de Teatro de Rua, esse investimento para a cultura é necessário”, contou Luan à reportagem. Luan trabalha já há cinco anos com projetos ligados ao carnaval da cidade.

Maracatu Semente de Angola foi o terceiro bloco do carnaval da Alma, realizado na última segunda-feira (27) - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Maracatu Semente de Angola foi o terceiro bloco do carnaval da Alma, realizado na última segunda-feira (27) – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

Como parte da organização do evento, duas vilas culturais participaram diretamente da organização da Matinê, a Alma Londrina e também a Flapt – Onde originalmente aconteceria o Carnaval das Marchinhas. Sobre a atual situação da cultura, e também as questões ligadas ao cancelamento do edital, o Presidente da Ong Flapt, Douglas Pinheiro, conversou com nossa reportagem. “O Promic foi um projeto muito interessante para a cidade nesses 15 anos em que vem sendo feito, e, muita gente na cidade desconhece a aplicação disso, não há um esforço mútuo para que ações da cultura sejam divulgadas, acontecem coisas muito pontuais e a população desconhece isso as vezes… Quando há um problema de organização, essa cultura mais uma vez fica sem apoio de comunicadores para criticar processos administrativos e também para se posicionar”, ele citou.

“No momento em que mais precisávamos, não houve um debate público (Sobre o cancelamento do Promic), percebemos que os meios de comunicação maiores parecem não se preocupar com isso, são isentos mas não ajudam a divulgar os espaços… Parece que a discussão está sendo levada por interesses”, pontuou Douglas em entrevista ao Rubrosom.

Artistas de Londrina fazem carnaval voluntário no CCI nesta quinta

Um grupo formado por mais de 30 voluntários entre músicos, técnicos, cantores e atores realizará nesta quinta-feira (22) um evento de carnaval de ‘resistência’ no Centro de Convivência da Pessoa Idosa (CCI) na Região Leste em Londrina. O evento marca o início de uma temporada de carnavais ‘de resistência’ em Londrina, organizados por artistas, após o cancelamento total de projetos beneficiados pelo Programa Municipal da Cultura (Promic), e que seriam realizados neste ano. O evento terá início às 14h.

Entre os vários artistas que participam do carnaval no CCI estão os músicos do coletivo 'Cordão das serpentinas' - Foto: Divulgação
Entre os vários artistas que participam do carnaval no CCI estão os músicos do coletivo ‘Cordão das serpentinas’ – Foto: Divulgação

Devido a uma adequação do edital municipal do Programa perante à lei 13019/2014, que entrou em vigência neste ano, 82 projetos culturais (Entre eles quatro projetos ligados ao carnaval) foram cancelados. Muitos dos músicos e proponentes que participariam dos projetos, inclusive, já haviam iniciado os preparativos para a realização dos mesmos. “Iniciamos há algum tempo sim. Para este carnaval do CCI, já estamos com todo o figurino pronto (Para a parte cenográfica) e também há dois meses estávamos ensaiando um repertório de 60 canções… Após essa notícia do cancelamento, todos os músicos se voluntariam para fazer essa apresentação e pudemos contar ainda com a  equipe do carnaval das marchinhas que participará também”, contou ao Rubrosom a cantora Camila Taari, uma das organizadoras do evento no Centro de Convivência.

Artistas da Cia Boi Voador (Foto de 2016) também participarão da montagem dos cenários no carnaval desta quinta - Foto: Bruno Leonel/RubroSom
Artistas da Cia Boi Voador (Foto de 2016) também participarão da montagem dos cenários no carnaval desta quinta – Foto: Bruno Leonel/RubroSom

Segundo Camila, após um chamamento pelo facebook, muitas pessoas se disponibilizaram para somar ao evento, como o pessoal da clareira filmes que irá filmar o evento, além do músico Fábio ‘Farinha’ que disponibilizou o equipamento de som sem nenhum custo. “Muito trabalho já foi feito, além do pessoal que já estava conosco no projeto, a Companhia Boi Voador irá ao local, ajudar na pré produção e montagem de cenário, então é bastante gente envolvida”, contou Taari. Além do evento no CCI, pelo menos mais dois eventos de carnaval popular acontecem nesta semana. No dia 27 haverá um evento de carnaval na vila cultural Alma Londrina e no próximo dia 28 um evento com a participação do Bloco Bafo Quente em um local ainda a ser divulgado.