Grupo de Londrina homenageia João Nogueira e outros sambistas

Samba tradicional, samba de breque… Essas e outras referências povoam o som do conjunto Londrinense Cadência Sincopada, formado em 2015, com o objetivo de fazer especiais sobre sambistas, de várias vertentes. Unindo preferências pessoais dos integrantes, o primeiro homenageado do grupo é João Nogueira.

Grupo de Londrina homenageia João Nogueira e outros sambistas
O grupo ‘Cadência Sincopada’; Júlio Erthal, Joaquim André, Lucas FIuza e Silvia Borba – Foto: Divulgação

Segundo os próprios, o jeito malemolente do compositor foi a inspiração para o nome do grupo por causa de seu jeito cadenciado e seu modo de cantar no contratempo. A formação é feita por Silvia Borba no vocal e percussão, Joaquim André vocal e cavaquinho e Lucas Fiuza violão e bandolim, com participações eventuais de Júlio Erthal na flauta e sax.

Se estivesse vivo o compositor faria 75 anos no ano de 2016 e nada melhor que homenagear este grande sambista autor de tantos sucessos como “Poder da Criação”, “Batendo a Porta”, “Espelho” e tantos outros. Silvia conta um pouco sobre o início da parceria. “Eu já faço um trabalho com música em outro projeto, a gente ficou amigo e, o gosto musical é muito parecido, o meu e o dele. Tivemos um contato em uma participação no Regional Vila Brasil, e depois fizemos um trabalho com o ‘Angú de Caroço’, de onde o Lucas me chamou para fazer esse repertório do João Nogueira, é uma figura muito importante na cultura do samba, e ele é um ativista na defesa do samba… isso me interessou bastante”, conta a cantora.

O músico Lucas Fiuza comenta sobre a preferências pelo compositor. “Eu comecei a pesquisar e ouvir bastantes sambistas, e ele foi um que me chamou atenção. Eu conhecia as mais famosas –  ‘Poder da criação’  e outras… Ai comecei a ouvir mais a fundo, gostei muito dele. Vi que ele tinha composições não apenas de samba tradicional, que ele tinha samba de breque, partido alto, que ele também homenageava outros sambistas, o Wilson Batista. Noel Rosa, Geraldo Pereira…. Comecei a ver que era um sambista interessante para começar o projeto”, comenta Fiuza que no conjunto toca violão e mandolim. A estreia do grupo acontece na próxima semana, em um evento intitulado ‘3ª Feijoada do Sidão GP” no próximo sábado (8).

Um diferencial do Cadência é utilizar dois vocalistas, um masculino e um feminino que ora solam ora se interagem nos arranjos feitos pelo grupo. Os arranjos também trazem o sotaque dos chorões devido a vivência que o grupo tem em regionais do gênero. Segundo os músicos, o livro ‘João Nogueira – Discobiografia’ de Luiz Fernando Viana (Guia caprichado com várias canções e curiosidades do músico. Além de detalhes sobre os os 22 álbuns feitos pelo cantor e compositor) foi uma referência importante no processo de pesquisa do repertório. Segundo o grupo, o trabalho realizado oscila entre versões e entre releituras das canções do sambista. “A gente trabalha com as duas coisas, mas, pela instrumentação é violão, cavaquinho, pandeiro, flauta e sax… Pra algumas músicas acabávamos fazendo outra formação. É uma releitura, mas, em que tentamos também manter um pouco da essência. Como temos dois vocalistas, então, as vezes fazemos arranjos com os dois, um fazendo uma parte, o outro fazendo outra parte…”, comenta o músico Lucas Fiuza.

Além da ‘Feijoada do Sidão’, o grupo tem uma apresentação marcada para o dia 08 de dezembro no projeto “Música em Cadeia” realizada pelo Sesc Cadeião no dia 08 de dezembro, a partir das 19h30. Além da apresentação, haverá um bate-papo sobre a  vida e obra de João Nogueira.