Música – Bandas de Londrina e SP tocam hoje no Heretic Manifesto

Neste sábado (14) ocorre em Londrina a segunda edição do Heretic Manifesto. As bandas Hereticae, Terrorsphere, Acid Brigade e Inverted Cross Cult serão as atrações do festival, que ocorrerá a partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103).

Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região - Foto: Lucas Klepa
Na ativa desde 2014 o Hereticae já tocou em eventos de música pesada em Londrina e região – Foto: Lucas Klepa

O evento, que tem como principal intuito a união de bandas autorais de metal extremo de Londrina e do Brasil afora, contará também com a discotecagem de Guilherme Corazza Pires, e seu projeto Sinfonias da Destruição. Participaram da última edição do Manifesto as bandas Guro (Grindcore/Londrina) e Talrak (Melodic Death Metal/Sorocaba-SP).

O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade - Foto: Amanda Corazza
O quarteto Acid Brigade: Trash clássico mas buscando uma identidade – Foto: Amanda Corazza

Os ingressos antecipados são R$10,00 e estão a venda no Bar.Bearia (Rua Quintino Bocaiúva, 875) e na Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, piso 1). Na portaria, a entrada será R$15,00.

Sobre as bandas:

Terrorsphere – Em atividade desde Fevereiro de 2014, o Terrorsphere retrata com seu Death Metal o cotidiano que acerca o mundo contemporâneo; como guerras, controle mental e comportamental. Formado pelos irmãos Werner (vocais/guitarra) e Udo Lauer (guitarra), Francisco Neves (guitarra/backing vocals) e Victor Oliveira, a banda tem marcado presença nos mais importantes eventos de metal extremo da região, tocando ao lado de nomes como Claustrofobia, Warrel Dane e Nervochaos!

O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path - Foto: Divulgação
O quarteto apresenta no dia 14 as músicas de seu recém-lançado álbum, Blood Path – Foto: Divulgação

SERVIÇO
14/10/2017 || À Partir das 20h na Vila Cultural Cemitério de Automóveis – R. João Pessoa, 103 – Centro
Ingressos antecipados: R$10,00 || Na portaria: R$15,00

|| PONTOS DE VENDA ||
• Barbearia Londrina (Rua Quintino Bocaiúva, 875)
• Spotter Estilo Rock (Royal Plaza Shopping, Centro)
• Estúdio Caverna (Rua Pará, 2113)

Entrevista – De Londrina, Hereticae lança EP nesta semana

Com riffs e grooves carregados, visual soturno e característico, e ainda a influência de nomes notórios do Black Metal europeu, o quarteto de Death/Black Metal Hereticae, de Londrina, lança nesta semana seu primeiro EP intitulado ‘New Aeon Trinity’ (HOM Music Rec). O lançamento acontece durante a segunda edição do Rotten Fest, no Cativeiro Bar. Além do Hereticae, as londrinenses Acid Brigade e Iatrogenic também sobem ao palco.

Será o segundo registro de estúdio do grupo, concluído quase 2 anos após o lançamento do primeiro single divulgado em em 2015. “O EP terá 4 faixas, as músicas são meio ‘das antigas’, faixas que a gente vem trabalhando desde o começo da banda, até nossa primeira música vai estar no trabalho! Achamos importante registrar e lançar esse material do nosso começo”, contou o músico ‘Polarys’ (Vocalista e guitarra) em entrevista ao Rubrosom. Também fazem parte da banda os músicos Andromalius (Guitarra), Christós (Baixo) e Demigod (Bateria). Os nomes, usados como forma de pseudônimo, mantém a certa tradição já ligada ao gênero, no qual os músicos são mais associados à uma ‘persona’ do que propriamente o nome real. Quem assina a produção do trabalho é o também músico Cleverson Willian.

Seguindo como um dos poucos nomes da região nesta vertente Death/Black metal, o Hereticae se firma como representante do metal extremo na cidade, somando algo da sua identidade e trabalho a uma época bastante positiva para a música pesada na cidade. Em entrevista o grupo falou um pouco sobre os atuais projetos, a expectativa com o trabalho e também a possibilidade de circular em novos espaços (Ou até a falta deles) dedicados á música extrema. Confira:

Rubrosom – Quanto tempo de atividade tem o Hereticae?
Polarys:
Começou há uns anos atrás, eu tocando guitarra e o Cristiano tocando baixo. Nós já gostávamos bastante de Thrash e Death Metal, algumas coisas depois como Kreator… O contato com o Black Metal veio através do Mantas (Nosso antigo guitarrista), em 2013, foi um processo natural de conhecer outras referências, foi uma grande influência, chegando no que é hoje! Gostamos muito da coisa toda da arte do estilo, pensamos que era isso o que queríamos fazer…

Christós: A gente já estudava no Hugo Simas, junto com o Azazel (Nosso antigo baterista) e começamos a nos reunir para tocar… Ele não conhecia tanto assim de metal e nós fomos meio que destruindo ele (risos), mostrando sons.  Em 2015 fizemos nosso primeiro show no Barbearia.

E o espaço para esse estilo na região, vocês tem tocado mais por aqui ou circulam fora também?
Christós:
A princípio era só o Barbearia mesmo hoje (Em Londrina). Tocamos em um evento em Arapongas, com bandas de outros gêneros.  Participamos de alguns festivais em Londrina com o Corpsia e o Acid Brigade, e ainda outras bandas daqui… A gente sempre toca em eventos com gêneros mesclados (Não há muitos eventos só voltados para essa linha Death/black).

Dalton: As músicas são meio ‘das antigas’ que a gente vem trabalhando desde o começo da banda, tem faixas novas já, mas é importante registrar e lançar esse material do nosso começo. Nós gravamos a bateria no High Voltage Estúdio, em Londrina, e o restante foi captado junto com o Cleverson (Produtor) , fizemos muita coisa em um estúdio nosso mesmo, em um estúdio que nós construímos, usamos vários equipamentos emprestados e tudo mais.

Hereticae lança 'New Aeon Trinity" nesta semana - Foto: Lucas Klepa
Hereticae lança ‘New Aeon Trinity” nesta semana – Foto: Lucas Klepa

E o processo de composição? Tem alguém na banda que lidera esse processo da composição para vocês?
Dalton – Normalmente eu faço riffs em casa, mostro nos ensaios pro pessoal, e vamos criando a partir daí. O Cristiano faz muitas contribuições com ideias também, nosso processo é um pouco assim. Mas tem vários jeitos, nossa música “The Fire and the Lion”, que eu considero uma das mais importantes é mais do Cristiano “Christós” do que minha, ele tem muitas contribuições importantes.

O Black Metal, além de ser um gênero já restrito, tem também àquelas críticas de sempre (Muitas letras tem temáticas ligadas à crítica da religião), alguém já criticou diretamente o som que vocês fazem?
Dalton – Nunca tivemos essas críticas. Sempre foram muito receptivos com a gente, até porque também porque não atingimos um espaço de popularidade… Claro que nem me surpreenderia se isso ocorresse, é parte do processo. Esse preconceito no Brasil mesmo, não é tão ligado ao Black Metal, até bandas populares (Iron Maiden e afins) enfrentam esse tipo de protestos. Aqui o gênero não é tão popular como por exemplo em regiões da Europa, Noruega e outros lugares…

Na ativa desde 2014 o grupo tocou já em eventos de música pesada em Londrina e região - Foto: Lucas Klepa
Na ativa desde 2014 o grupo tocou já em eventos de música pesada em Londrina e região – Foto: Lucas Klepa

E as influências de vocês?
Dalton:
Behemoth (Polonês), a coisa toda da arte, a parte visual, um pouco a ideologia também… De uns tempos pra cá outras bandas como Carach Angren, Mayhem, não tem bem uma banda específica, é um gênero como um todo.

E as expectativas para depois do lançamento do trabalho? Pretendem circular, participar de eventos?
Dalton:
Sim! A gente tava esperando ter um lançamento para divulgar melhor nosso trabalho e tocar fora! Difícil divulgar se você não tem um material feito … Ai a gente pretende começar a correr atrás de mais shows e buscar outras possibilidades.

Hoje tem show do Hereticae – Confira o evento