Por Bruno Leonel

Um dos compositores mais influentes da música brasileira, Paulinho da Viola, é o destaque nesta quarta-feira (23) durante show realizado pelo grupo londrinense Saravá Trio no Bar Valentino às 21h. A banda contará com a cantora convidada Rakelly Calliari, do grupo Samba Sim.

É a segunda vez que o conjunto (Fundado há pouco mais de um ano) homenageia o compositor. Em outubro de 2015 os músicos realizaram pela primeira vez o tributo ao compositor Paulo César Batista de Faria (Nome de registro) após um período extenso de ensaio e preparação. “Foram alguns meses para selecionar as músicas que entrariam e também preparar o show. A escolha foi difícil, o Paulinho tem muita música gravada, houve uma longa discussão sobre quais iriam entrar”, conta a cantora Rakelly Calliari que também participou do show de 2015. O Saravá Trio é formado por Israel Laurindo (violão sete cordas), Alessandro Franco (contrabaixo) e Fábio Farinha (bateria).

Da esquerda para a direita: Alessandro Franco (baixo), Israel Laurindo (violão), Rakelly Calliari (Vocal) e Fábio Farinha (bateria) - Foto: Divulgação.
Da esquerda para a direita: Alessandro Franco (baixo), Israel Laurindo (violão), Rakelly Calliari (Vocal) e Fábio Farinha (bateria) – Foto: Divulgação.

Do alto de seus 73 anos, Paulinho da Viola conseguiu garantir a presença da cultura propriamente marginal e também do que se passou a denominar “samba de raiz” em espaços importantes no meio artístico, e também, no mercado fonográfico brasileiro. A referência inspira diversos músicos de todo o país, e também de Londrina. O show desta quarta-feira terá uma seleção que inclui canções como “Foi um rio que passou em minha vida”, além de músicas que talvez soem como novidade ao público menos assíduo, como “Lua” e “Para um amor no Recife”. Quem pode presenciar o show de outubro, segundo os próprios músicos, poderá conferir agora também algumas novidades neste segundo tributo. “Tem agora algumas músicas mais conhecidas como ‘Coração Leviano’ (Que não estava no primeiro show do ano passado) e principalmente uma maturidade maior, quanto mais tempo trabalhando, mais naturalidade acontece na execução e fica mais agradável de fazer”, comenta Rakelly.

Herdeiro direto da tradição musical urbana própria das comunidades da periferia carioca, Paulinho da Viola traçou uma carreira singular, que inclui parcerias tão culturalmente diversas quanto Arrigo Barnabé, Cadeia e Hermínio Bello de Carvalho. A principal marca de seu trabalho é a habilidade de dialogar com as expressões do passado sem se prender a velhas formas. Segundo a cantora, rever a obra do compositor, para ouvintes mais assíduos, sempre revela novas faces do músico; “Este estudo que a gente tem feito tem trazido pra gente um novo significado do nome dele dentro da música brasileira e do samba. Dentro do que a gente vinha vendo e ouvindo aqui na nossa região, também em relação ao tratamento dado para a obra dele. As pessoas geralmente colocam ele junto de outro repertório e, esse mergulho na obra dele, mostra a multiplicidade que ele tem, assim como o diálogo que ele faz entre a tradição e a inovação”, reforça a cantora.

Tais características do compositor podem ser melhor compreendidas em materiais como o filme documentário “Meu tempo é hoje”, dirigido por Izabel Jaguaribe, e no livro “Velhas histórias, memórias futuras, escrito por Eduardo Granja Coutinho.


Serviço

Saravá Trio & Rakelly Calliari – Homenagem a Paulinho da Viola
23/03 – Quarta-feira
Bar Valentino – Rua Prefeito Faria Lima, 486
Couvert: R$7