Metal Internacional – Festival acontece em Londrina na semana do carnaval

Além dos tradicionais blocos de rua e dos tradicionais bailes de marchinhas, Londrina terá uma opção de música pesada durante a semana do Carnaval. O festival Open Air Festival, com bandas de países como Argentina e Colômbia acontece entre 10 e 12 de fevereiro.

27504056_1147465002023863_7302886703833425363_o

O evento, que durante 5 edições foi sediado em São Paulo (SP), desembarca em território “pé-vermelho” no formato “open air” (ao ar livre) em uma chácara na zona leste da cidade.

Mais de 30 bandas de diferentes países da América Latina estão escaladas para o festival. No palco principal “Open the Road” se apresentam grupos de maior destaque no cenário musical, como Massacre (Colômbia) Atomic Agressor (Chile), Interceptor e Metaluria da Argentina, além de bandas brasileiras como Genocidio, Leviaethan e Holocausto. “É um cast totalmente voltado
para uma união de nosso continente sul americano”, afirma Silvio Rocha, organizador do evento. Os shows do palco principal começam às 15 horas e vão até às 22h. Na sequência começam as atrações com entrada franca, do palco “Let it be Free”. A maior parte desse cast é formado por bandas de Londrina e região, mas também há grupos de Curitiba, São Paulo e Argentina.
Com quase 12 horas de programação musical diária, o Open the Road Festival também vai contar com estrutura para camping, food-trucks, cervejas e chopps artesanais, drinks exclusivos, restaurante, cafés especiais e outras atrações.
O público deve chegar de vários pontos do Brasil. Já há confirmação de excursões paranaenses, dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo, além de uma de El Dorado, na Argentina. Muitos fãs vão pernoitar na área de camping do evento, que já atingiu a lotação máxima.

Os ingressos podem ser adquiridos através do site Ticket Brasil ou em pontos físicos relacionados no site da Open the Road Agency, empresa organizadora do festival.
A entrada inteira, para um dia de evento, custa R$ 200, mas quem aproveitar a compra antecipada paga o valor promocional de R$ 120. A meia entrada sai por R$ 100. Quem quiser acompanhar toda a programação pode comprar um combo, que da acesso aos 3  dias de shows e estacionamento. O valor da entrada inteira é de R$ 300 e com a promoção sai por R$180. Já a meia custa R$ 150.

O Festival: Organizado pela agência londrinense Open the Road, o evento já teve 5 edições, que contaram com nomes de peso e de diversas regiões do mundo, como Benediction (Inglaterra), Nile (EUA), Assassin (Alemanha), Ratos de Porão (Brasil) e Metalucifer (Japão).

Na 6ª edição, a agência decidiu migrar o festival para Londrina, o que foi possível graças a diferentes patrocinadores e apoiadores da cidade. Além de ser estruturado no formato “open air” (ao ar livre), o evento passou a dar maior ênfase à união do continente latino-americano. “Tendo como meta tornar-se uma referência de união entre os países do México ao extremo sul da América do Sul”, destaca o proprietário da agência, Silvio Rocha.


Serviço
Open the Road Festival 
Data: 10, 11 e 12 de fevereiro de 2018
Local: Xákara Eventos, Estrada dos Limoeiros – Estrada dos Pampas 153 (Londrina/PR)
Ingressos: AQUI
Valores:
Pista Individual para um dia
R$ 100,00  – Meia-entrada
R$ 120,00 – Promocional
R$ 200,00 – Inteira
Pista para os três dias (Combo) • Ingresso + Camping (esgotado) + Estacionamento
R$ 150,00 –  Meia-entrada
R$ 180,00 –  Promocional
R$ 300,00 – Inteira
Estacionamento – Limitado para 150 carros – R$ 20,00 por dia

Música – Bernardo Pellegrini toca nesta quarta em Londrina

O jornalista e compositor Bernardo Pellegrini se apresenta nesta quarta (31) no Sesc Cadeião em Londrina. Notório pelas suas várias atividades, o jornalista, que também é poeta, publicitário, produtor cultural, somaterapeuta… lança hoje também um site, focado totalmente no no trabalho musical. A página é um grande portal para a obra musical de Bernardo, e disponibilizará todos os discos de sua carreira (inclusive um ao vivo, inédito), fotos, vídeos e uma linha do tempo na qual são narrados em detalhes os episódios mais importantes de sua trajetória.

Bernardo Pellegrini (com o violão, à esquerda) e o Bando do Cão Sem Dono durante apresentação na Alma Londrina - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.
Bernardo Pellegrini (com o violão, à esquerda) e o Bando do Cão Sem Dono durante apresentação na Alma Londrina – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom.

O site www.bernardopellegrini.com.br irá ao ar nesta quarta-feira às 11h. E para comemorar, no mesmo dia, Bernardo irá realizar uma conversa-show no Sesc Cadeião Cultural (Rua Sergipe, 52), às 19h30. Quem for poderá ouvi-lo rememorar passagens fundamentais de sua carreira e escutar algumas das canções que marcaram a sua experiência como músico. O bate-papo musical será mediado pelo jornalista Felipe Melhado, que realizou a pesquisa para o site. A entrada para a conversa-show é gratuita, mas os ingressos são limitados e serão distribuídos no local com uma hora de antecedência.

Bernardo Pellegrini estreiou como músico em 1976, quando fez seu primeiro show: Mina D’água. E mesmo desempenhando muitas outras atividades, nunca parou de compor canções. Hoje ele acumula quatro álbuns lançados: Humano Demais (1990), Dinamite Pura(1994), Quero Seu Endereço (1998) e É Isso Que Vai Acontecer (2010), sem contar Big Bando (2000), disco gravado ao vivo com uma big band e que poderá ser apreciado na íntegra no novo site.

O músico segue ainda na ativa. Bernardo acaba de concluir as gravações para mais um álbum, intitulado Outros Planos, e que deverá ser lançado ainda neste semestre. Nesta quarta-feira (31)  será disponibilizado o videoclipe da música ‘Frágil’, que faz parte do repertório do novo disco. O trabalho terá participação ainda de mais de 30 músicos londrinenses e que será lançado entre os meses de março e abril. Links para o programa ‘Sonora Londrina’, apresentado por Bernardo, também estarão na página virtual.

O novo site é, em suma, apenas um aquecimento para o que está por vir. A página, porta de entrada para a obra de Bernardo, contou com design do estúdio Mero, programação da Nov3, consultoria da Cedilha Comunicação, edição de vídeo da Flamingo Comunicação & Design e pesquisa do jornalista Felipe Melhado.


Serviço:
Lançamento do site www.bernardopellegrini.com.br e conversa-show com Bernardo Pellegrini
Quando – Quarta-feira (31), às 19h30
Onde – Sesc Cadeião Cultural (R. Sergipe, 52)
Entrada gratuito

Discotecagem marca início das atividades da Alma Londrina em 2018

AlmA Londrina Rádio Web (www.almalondrina.com.br) inicia as atividades de 2018 neste sábado com o projeto AlmA Livre, discotecagem em pequenos encontros entre a comunidade e os criadores dos programas veiculados na emissora. O primeiro será no dia 27 de janeiro, a partir das 15h, com transmissão de três programas da grade interagindo com o público.

Mesmo seguindo com espaço amplo para os podcasts (arquivos em áudio), a web rádio também tem como novidade a implantação da web TV, reforçando assim o perfil multimídia e inovador do projeto, características já percebidas na cobertura intensa dos assuntos envolvendo a cultura de Londrina e região em 2017.Projeto AlmA Livre 27-1

Com os recursos do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic) de 2017 liberados somente há um mês (na última semana de dezembro), a emissora londrinense busca seguir o cronograma previsto no projeto original e também iniciar novas experiências, como a AlmA Livre, uma discotecagem com interferência dos produtores e apresentadores dos programas radiofônicos do site, sempre de graça. No próximo sábado (27.1), a partir das 15h, a AlmA Livre estará na Manuca Acessórios, onde o público vai acompanhar o pessoal produzindo três programas ao vivo: Azylo Hotel, Conexão Nova Cena e Rocksofia.

Criado por Paulão Rock’N’Roll em 1982, o Azylo Hotel voltou a ser transmitido pela AlmA Londrina no fim do ano passado e segue como um espaço para o rock e o jazz dos mais diversos países, sempre cercado dos ácidos e experientes comentários do apresentador. Já o Rocksofiadestaca o melhor do rock nacional, exibindo novatos e também bandas consagradas. A apresentação de Thiago Gonçalves tem uma pegada curiosa: oferecer aos ouvintes uma viagem musical, filosófica, artística e social através do Rock. Pra encerrar, o Conexão Nova Cena, apresentado por Marcelo Sapão, abre espaço para as novas bandas no cenário musical de Londrina, sem esquecer dos grupos locais com trajetórias já consolidadas em shows e festivais.

Para o coordenador geral da AlmA Londrina Rádio Web, Daniel Thomas, o evento será mais uma oportunidade para inovar e experimentar, mesmo em um cenário difícil para as atividades culturais de modo geral. “2017 foi um ano extremamente complicado devido à contenção de recursos do Promic (Programa Municipal de Incentivo à Cultura), mas a equipe conseguiu mostrar que a Rádio AlmA não deve e não vai parar. Conseguimos ampliar o número de internautas no site e nas redes sociais, manter a qualidade do nosso Jornalismo Cultural e ainda trazer convidados de fora para as oficinas e para o festival Palco AlmA, eventos sempre gratuitos e abertos à população”, detalhou Thomas, lembrando que o site também foi todo remodelado em setembro de 2017 pela equipe de web design.

AlmA Londrina, emissora virtual em atividade desde 2012, é fruto de um trabalho iniciado por voluntários do Núcleo de Comunicação Popular e Comunitária da Associação Intercultural de Projetos Sociais (AlmA) e está sediada na Vila Cultural AlmA Brasil. Além de ter conquistado aprovações do Promic em anos anteriores, a emissora já venceu duas vezes o Prêmio Pontos de Mídia Livre, promovido pelo Ministério da Cultura com o objetivo de fomentar iniciativas alternativas de comunicação do País.


Serviço:
AlmA Livre – Discotecagens e interferências radiofônicas
Data: 27/01 – das 15h às 21h – Entrada Gratuita
Local: Manuca Acessórios – Rua Arcindo Sardo, 253 loja 3 – Londrina
Discotecagem: com os programas Azylo Hotel, Conexão Nova Cena e Rocksofia.
Apoio Cultural: Vila Cultural AlmA Brasil, ALRW, Manuca, Londristyle, Sebo Capricho, London Bistrô, Kartaze, Feltro Geek, Na Lenha BBQ
Informaçõeswww.almalondrina.com.br

Thiago Sagi encerra Viva Elis nesta quinta em Londrina

O cantor Thiago Sagi sobe aos palcos do Bar Valentino nesta quinta na última data da temporada Viva Elis 2018. O último dia de shows desde ano dá lugar à voz masculina na interpretação das canções eternizadas na voz da intérprete. A apresentação será na quinta-feira (25), a partir das 21h, com ingressos a R$ 15.

Suas influências passam por Milton Nascimento, Freddie Mercury, Tina Turner, Ney Matogrosso, Janis Joplin, Sarah Vaughan - Foto: Divulgação
Suas influências passam por Milton Nascimento, Freddie Mercury, Tina Turner, Ney Matogrosso, Janis Joplin, Sarah Vaughan – Foto: Divulgação

No ano em que a morte da cantora completa 34 anos, o festival é uma forma de lembrar o legado da cantora. Nada melhor do que lembrar da intérprete através da música e dos palcos: a imensidão do seu som. Thiago vislumbra em Elis Regina outro grande sustentáculo da MPB que continua a ditar a ordem de como se fazer música moderna no Brasil.

Todos esses elementos fazem de Elis a grande artista que é – importante que falemos dela no presente do indicativo, pois sua obra permanece viva – estão presentes no repertório do show ‘Viva Elis’ que Thiago Sagi selecionou para apresentar. Mais do que enfileirar sucessos, o setlist foi ‘pensado, com muito carinho, para homenagear e contar, através da música, a história da maior cantora do Brasil de todos os tempos’.


Informações
Viva Elis apresenta Thiago Sagi | 2018

Quinta, 25 janeiro
Hora: 21h
Couvert – R$ 15,00
Bar Valentino

Vila Cultural AlmA Brasil recebe ensaios de grupos de maracatu

A Vila Cultural AlmA Brasil inicia hoje (16) a programação de 2018 com apresentações semanais de grupos de maracatu. Às terças-feiras, o grupo “Maracatu Semente de Angola” utiliza o espaço, a partir das 19h30. Às quintas-feiras, também às 19h30,
serão os ensaios do grupo “Batuque Mulher”. Os ensaios do “Maracatu Semente de Angola” serão abertos a toda a comunidade, e os do “Baque Mulher Londrina” apenas ao público feminino. A entrada é franca, com classificação etária livre.

Maracatu Semente de Angola durante apresentação no Carnaval de 2017 - Foto: Bruno Leonel/Rubrosom
Maracatu Semente de Angola durante apresentação no Carnaval de 2017 – Foto: Bruno Leonel/Rubrosom

A Vila Cultural Alma Brasil conta com patrocínio da Prefeitura de Londrina, através do Programa Municipal de Incentivo à
Cultura (Promic). O endereço é Rua Mar del Plata, 93, na Vila Rodrigues.

Sobre os grupos – O maracatu é uma dança folclórica de origem afro-brasileira que surgiu no estado de Pernambuco. O ritmo é
movido pelo som de instrumentos de percussão, com coreografias específicas.

O grupo “Maracatu Semente de Angola” foi fundado em 2010, em Londrina, sob a liderança religiosa de Vilma Santos de Oliveira,
a Yá Mukumby, militante do movimento negro. É filiado aos grupos “Nação do Maracatu Porto Rico” e “Nação do Maracatu Encanto
do Pina”. Tem como principal objetivo disseminar a cultura do maracatu de Baque Virado, realizando apresentações e oficinas.

O “Baque Mulher Londrina” é filiado ao grupo “Baque Mulher Recife”, de Pernambuco, criado em 2008. É um grupo composto
exclusivamente por mulheres, que tem como missão fortalecer o empoderamento feminino por meio da manifestação cultural e
religiosa, e tem uma forte relação com o movimento feminista.

A vila – A Alma Brasil é a vila cultural que sedia a AlmA – Associação Intercultural de Projetos Sociais. É voltada,
especialmente, às manifestações da cultura popular e à comunicação popular e comunitária. A vila abriga diversos projetos
culturais, coletivos e grupos artísticos, além de promover oficinas, eventos e outros projetos em diversas linguagens.

O espaço é aberto ao público de segunda a sexta-feira, das 14h30 às 18 horas, com horários especiais aos fins de semana, de
acordo com a programação cultural.


Informações
Página da Vila Cultural Alma Londrina

Cinema – Edital contempla seis curtas de Londrina

A produção audiovisual de Londrina vem ganhando destaque em circuitos cada vez mais amplos. O edital finalizado em dezembro de 2017 pela Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) em parceria com a Agência Nacional de Cinema (ANCINE), contemplou, na categoria curtas-metragens, sete produções, das quais seis são de Londrina. Cada curta-metragem receberá o recurso de R$ 60 mil e as produções devem ser finalizadas até dezembro deste ano (Confira abaixo a lista dos curtas-metragens).

Produções em Londrina vêm conquistando cada vez mais espaço. A imagem é da gravação da série "Super Família" (2017) - Foto: Renata Cabrera
Produções em Londrina vêm conquistando cada vez mais espaço. A imagem é da gravação da série “Super Família” (2017) – Foto: Renata Cabrera

Ao todo, o edital destinou no estado R$ 3,75 milhões para a produção de curtas e longas-metragens, telefilmes e projetos de distribuição de obras cinematográficas em geral. Além dos curtas-metragens, também foram contemplados com recursos outros dois projetos de Londrina: uma produção de telefilme – O Bispo e o Comunista – a incrível herança cultural dos irmãos Sigaud, da Produtora do Leste, no valor de R$ 180 mil; e uma distribuição de longa-metragem, com o longa Leste-Oeste, da Kinopus Audiovisual, no valor de R$ 125 mil.

O secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani, comemorou o resultado do edital, que conseguiu descentralizar os recursos e incentivar a produção audiovisual em outros municípios do Paraná. “Nossa intenção era a de fomentar o setor em todo o Estado e para isso destinamos a categoria de curta-metragem apenas para proponentes do interior. Foi muito bacana porque recebemos projetos de pequenas a grandes cidades. E nos surpreendemos ao notar que as cidades do interior também se destacaram nas demais categorias. Estamos muito satisfeitos com este resultado”, comenta.

De acordo com Guilherme Peraro, representante do Arranjo Produtivo Local (APL) Audiovisual de Londrina e Região e de uma das produtoras contempladas, o edital é uma conquista, resultado de uma luta de produtoras, entidades e apoiadores que batalharam juntos pela descentralização do recurso. “Nós como APL vemos isso com bons olhos. É uma grande conquista para Londrina e para todo o interior do Paraná. E isso tudo vem a somar com outras iniciativas que estão acontecendo na cidade, pela valorização do audiovisual”, considera.

Peraro reforça que devido ao potencial do setor na cidade, agora também é o momento em que entidades e instituições de ensino vem buscando unir forças para a profissionalização. “Com a quantidade grande de projetos, a tendência é a necessidade de mão de obra capacitada para trabalhar nesses filmes. As produtoras e cada vez mais e instituições de ensino passam a pensar em cursos, palestras e capacitação mais específicos para atender ao setor e isso será ótimo, podemos ter grandes resultados”.

Sobre o APL – O Arranjo Produtivo Local (APL) do Audiovisual de Londrina e Região foi criado em junho de 2017 e contou com o apoio das prefeituras de Londrina e Cornélio Procópio, representantes da política local, regional e federal, Agência Nacional de Cinema – ANCINE, Governo do Estado do Paraná – Secretaria de Cultura e das instituições SEBRAE, ACIL, CODEL, SENAI, FIEP e SERCOMTEL, empresas do setor audiovisual, núcleos e associações empresariais, e instituições de ensino e pesquisa.

O APL tem como meta a aproximação de produtores independentes, assim como ampliar as ações de capacitação, conquistar investimentos para a produção, pós produção e distribuição de conteúdos audiovisuais e criar um polo fílmico para produções de TV, filmes, games e tecnologias inovadoras. O arranjo busca assim criar na cidade de Londrina e região ambientes  propícios para profissionais criativos, contribuir para a geração de empregos e fortalecer a Economia Criativa por meio da Indústria Limpa  do Audiovisual.


*Confira a lista das produções aprovadas no edital 004/2017 (SEEC)

Curta-metragem

Roberta Shizuko Takamatsu – Pequenos Delitos (Londrina)
Artur Ianckievicz Filho Cleo – A Rainha Negra das Passarelas (Londrina)
Gustavo Minho Nakao – Astro Negro (Londrina)
NTV CINE VIDEO SS LTDA  – Inventário (Londrina)
Alessandra Dalva de Souza Pajolla – Redenção (Londrina)
Auber Silva Pereira Filho – Nigredo (Londrina)
André Luiz Bett Batista –  O Padre e o Bento (Maringá)


Informações
Confira mais detalhes do Edital

Literatura – ‘O terror é um gênero que acompanha seus leitores através do tempo’ conta autora Susan Cruz

Começando bem o ano para a literatura,  mais uma autora da cidade começa a se destacar no circuito, desta vez com um foco no gênero do terror. A escritora e jornalista curitibana Susan Cruz, hoje radicada em Londrina, acaba de ter um de seus contos de horror selecionado para a antologia “King ‘ Poe ‘ Lovecraft – do Terror ao Horror”.  O volume é organizado pela escritora Rô Mierling, autora de Diário de uma Escrava (Ed. DarkSide). O livro terá laçamento duplo: no Brasil e na Argentina com destaque na 43° Feira Internacional do livro de Buenos Aires, previsto para abril de 2018 pela Editora Illuminare.

Além do conto, a autora Susan Cruz (foto) concluiu recentemente seu primeiro livro de poesia de horror, além de ter já alguns projetos para 2018, ela comemora - Foto: Divulgação
Além do conto, a autora Susan Cruz (foto) concluiu recentemente seu primeiro livro de poesia de horror, além de ter já alguns projetos para 2018  – Foto: Divulgação

A antologia contará ainda com contos inéditos de escritores convidados como Cesar Bravo, autor de Ultra Carnem (DarkSide), de Marcus Barcelos, autor de Horror na Colina de Darrington (Faro Editorial) e de Jhefferson Passos, autor de 100 Gotas de Sangue (Illuminare). O livro trará 35 contos inéditos inspirados por seus autores em obras dos três grandes nomes da literatura mundial do terror: Stephen King, Edgar Allan Poe e H. P. Lovecraft. O conto de Susan, intitulado “Tique-Taque”, foi inspirado no famoso conto o Enterro Prematuro de Poe. “O interesse pelo terror surgiu quando, aos nove anos, comecei a me aventurar por clássicos infantis com essa temática como ‘A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça’, eu leio quase de tudo nesse gênero, mas sou mesmo fã dos clássicos de horror. Como Mary Shelley, Edgar Allan poe, Ann Radcliff e Emily Brontë para citar alguns”, contou a autora em entrevista ao Rubrosom (veja mais a seguir).

26165790_533052117068720_9086182619490582918_n

Para Rô Mierling, organizadora da antologia esse projeto é significativo na literatura de terror nacional. “Acredito que os escritores brasileiros possuem uma criatividade imensa aliada a admiração por grandes nomes da literatura sombria. Logo um livro como esse pode, simultaneamente, mostrar o talento nacional literário no cenário do terror e horror e também homenagear grandes nomes da literatura como Edgar A. Poe.”, completa Mierling.

Ano passado, a jornalista escreveu o romance gótico de horror, Post Mortem, sua obra de estreia, publicada em ebook e disponível na Amazon. E recentemente terminou seu primeiro livro de poesia de horror, além de outros projetos para 2018, ela comemora. “O grande desafio para esse projeto foi, justamente, abstrair do processo criativo a época em que ele se passa. O que eu posso dizer é que o conto traz o uso da tecnologia e é um tanto claustrofóbico”, pontua Susan. Confira entrevista:

(Rubrosom) Em pleno ano de 2018, a literatura ligada a temática do terror/suspense ainda cativa leitores de várias idades (no Brasil e fora), porque você acha que este tema ainda é tão impressionante para várias gerações de leitores?
No cerne dos mistérios que cercam a nossa existência como o sobrenatural, o oculto e o inexplicável podemos (ir) além dos estereótipos já criados e metaforizar os mais profundos sentimentos. Acho que é por isso que o gênero atrai leitores desde sempre. Externar nossos medos é uma fórmula que os precursores do terror e do horror já ofereciam no século passado e que ainda funciona justamente por ser um gênero que acompanha seus leitores através do tempo. Como escritora, acredito que o horror é libertador, principalmente para nós mulheres. É através dele que nós podemos explorar nossos maiores medos e as mais difíceis questões. Claro que a morte o permeia , mas o usamos para mais do que isso. O horror é uma porta de entrada para inúmeras possibilidades e nesse corredor sombrio nosso grito pode ser ouvido. O Brasil sempre teve interesse no mercado de terror e possui gerações de leitores ávidos. O movimento que eu percebo está no interesse em terror nacional que vem ganhando força. Livros com qualidade que chamam a atenção para talentos nacionais e, por consequência, um novo olhar por parte das editoras para investir no mercado nacional.

Como foi seu interesse pelo gênero, começou cedo? Quais foram suas principais influências?
Cresci em uma casa cercada por livros e tive a oportunidade de ser uma criança leitora. Apreço que influenciou diretamente a minha escolha na profissão, como jornalista e mais tarde como escritora.

Falando sobre o conto selecionado, pode falar um pouco sobre o processo criativo dele?
O conto “Tique-Taque”, inspirado no conto “O Enterro Prematuro”de Poe. Eu o escrevi exclusivamente para essa seletiva e foi durante uma madrugada bastante chuvosa de Londrina. Eu estava relendo um livro de contos do Poe e assistindo a série Dark da Netflix. O grande desafio para esse projeto foi, justamente, abstrair do processo criativo a época em que ele se passa. A maioria dos meus trabalhos são ambientados em épocas remotas e esse precisava ser escrito na época atual (uma exigência da editora). O que eu posso dizer é que o conto traz o uso da tecnologia e é um tanto claustrofóbico.

Você mencionou a conclusão recente de uma obra de poesia de horror correto? Na sua opinião, há eixos semelhantes ao conto selecionado para a antologia? 
Eu já havia escrito um poema chamado “Claustrofobia” que faz alusão a sensação de ser enterrado vivo. Mas o universo sombrio de “O Livro Preto” explora todas as nuances do horror inerente a condição humana. Transitando entre a lírica clássica e contemporânea os poemas compõem uma antologia única. Porque o horror também habita a alma das coisas belas. Ainda não há uma previsão para o seu lançamento, apesar de já ter propostas para publicação, ainda aguardo a reposta de algumas editoras. Minha vontade é que esse projeto possa se concretizar da maneira que ele merece.


Informações
Poemas e textos da autora podem ser lidos em seu blog: https://susancruz.wordpress.com/

Palhaços – Companhia de Londrina é premiada em festival do Piauí

Pelo segundo ano consecutivo, a companhia ‘Os Palhaços de Rua’, de Londrina, foi premiada no 6º Festival  Nacional de Teatro do Piauí. O espetáculo intitulado ‘Vikings e o Reino Saqueado’ levou os prêmios de melhor ator, para Adriano Gouvella e Lucas Turino (Adriano foi o ganhador desse mesmo prêmio na edição passada do festival).

A peça também foi premiada na categoria de melhor maquiagem, e ainda, teve indicações nas categorias de de melhor Dramaturgia, Direção e Figurino. “O processo de concepção do espetáculo veio da ideia de fazer algo diferente dentro do universo do palhaço, e como artistas sentimos a necessidade do nosso trabalho refletir, dialogar, provocar e indagar o nosso tempo, os dias em que estamos vivendo, ainda mais a figura do palhaço que é por si só provocadora, crítica, sarcástica, reflexiva e ao mesmo tempo…” contou o ator Adriano Gouvella, integrante da companhia.

Segundo os atores, a serie "Vikings" do History Channel, foi uma inspiração para a peça que mistura referências históricas com a ideia de ironia e crítica típica de espetáculos com palhaços - Foto: Daniele DiasSegundo os atores, a serie “Vikings” do History Channel, foi uma inspiração para a peça que mistura referências históricas com a ideia de ironia e crítica típica de espetáculos com palhaços – Foto: Daniele Dias

Foi a segunda participação do grupo londrinense, no evento que ocorreu na cidade de Floriano, e é um dos mais importantes da região. Ao todo, 31 grupos de teatro participaram do festival totalizando mais de 150 artistas de todas as regiões do país. Em um ano turbulento para coletivos e grupos de Londrina, Adriano contou à reportagem que tais prêmios reforçam a importância da pesquisa e trabalho feitos com o coletivo. E fique ligado, a peça estreia em Londrina, no dia 23/12 às 11h na Praça Floriano Peixoto, ao lado da Catedral, com entrada gratuita.

Veja entrevista a seguir:

Vocês estrearam um novo espetáculo ‘Vikings e o Reino Saqueado” e foram premiados, no 6° Festival Nacional de Teatro do Piauí… Quantas vezes já estiveram no festival?
Sim, estreamos o espetáculo lá, mas não éramos os únicos do Paraná, havia mais um grupo de Foz do Iguaçu. Essa foi nossa segunda participação no festival.

A peça em questão, cruza elementos da cultura nórdica viking e a arte do palhaço como proposta estética e base para discutir relações humanas… Como surgiu a ideia de misturar essas referências, aparentemente, tão distantes?? Tem algum autor ou coletivo que influenciou o trabalho de vocês nessas misturas?
A ideia de misturar essas referências surgiu quando começamos a nos questionar sobre a situação atual do país e como poderíamos trabalhar isso sendo palhaços, nessa mesma época estávamos assistindo ao seriado “Vikings” do History Channel, que gostamos muito e a partir daí começamos a relacionar um tema com o outro e ir mais a fundo na pesquisa. Esta mistura partiu de nós mesmos, não teve algum autor ou alguém que influenciou, mas a pesquisa se pauta no autor “James Graham-Campbell” e alguns dos seus livros sobre a cultura viking, além da atual situação do Brasil que acaba de passar por um golpe de estado.

Falando de Londrina especificamente, foi um ano um pouco complicado para produtores culturais em geral (houve o cancelamento do Promic e uma serie de outras questões)… A Cia Palhaços de Rua também se viu prejudicada em meio à tantas dificuldades?
Sim, foi um ano bem turbulento para a cultura no país todo e em Londrina não foi diferente; a Cia. foi prejudicada em seus projetos assim como vários produtores culturais da cidade. O PROMIC sempre foi um exemplo de incentivo a cultura, mas vem sendo ameaçado ultimamente e isso faz com que pensemos quais as pessoas que realmente estão ao lado do povo? Quais são os interesses destas pessoas? Quem de fato apoia a cultura? E quem quer desmonta-la?

Foi o segundo ano consecutivo premiado (e com nomeações no festival), do ponto de vista da pesquisa/estudo que vocês fazem, em tempos de recessão pra cultura, esses festivais ganham ainda mais importância talvez? (no sentido de promover a circulação dos espetáculos, etc…). Pode comentar sobre?
Sim, foi o segundo ano consecutivo no festival e com premiações e indicações importantes, isso para nós é uma felicidade muito grande e reforça ainda mais a qualidade dos trabalhos artísticos que são produzidos em Londrina. Em tempos sombrios em que a cultura vem sofrendo um desmonte em nível nacional, esses festivais são um respiro de sobrevivência e resistência! Com certeza ganham ainda mais importância nestes tempos de recessão; eles promovem o encontro entre artistas e, entre artistas e público, promove debates de ideias, trocas artísticas, políticas, culturais, sociais e novas perspectivas.

Como foi o processo de concepção da ideia toda? – Lembro que no fim de 2016 vocês já estavam desenvolvendo a montagem toda…
O processo de concepção veio da ideia de fazer algo diferente dentro do universo do palhaço, e como artistas sentimos a necessidade do nosso trabalho refletir, dialogar, provocar e indagar o nosso tempo, os dias em que estamos vivendo, ainda mais a figura do palhaço que é por si só provocadora, crítica, sarcástica, reflexiva e ao mesmo tempo poética. Sim, realmente no fim do ano passado já conversávamos sobre esse projeto e aí colocamos a mão na massa de fato em janeiro desse ano até o presente momento, foi um ano de trabalho até a estreia. Chamamos alguns profissionais para se juntar ao nosso time e assim veio a parceria por exemplo, com o figurinista Alex Lima, que fez um trabalho extraordinário em conjunto com nossa pesquisa, não só ele mas o marceneiro Caio Blanco e muitas outras pessoas talentosas que estão envolvidas em todo processo.

Pelo segundo ano consecutivo, a Cia. Os Palhaços foi premiada no Festival Nacional do Piauí - Foto: Divulgação
Pelo segundo ano consecutivo, a Cia. Os Palhaços foi premiada no Festival Nacional de Teatro do Piauí – Foto: Nayara Fabrícia

E os projetos para o próximo ano? Além dos ‘Vikings e o Reino Saqueado”, vocês seguem circulando com outros espetáculos ainda certo?
Além dos “Vikings e o Reino Saqueado” seguimos apresentando nosso primeiro espetáculo o “Números” e a contação de história “O Coronel e o Barbeiro”, também ministramos algumas oficinas como: circo, palhaço, acrobacias, parada de mão, malabares e capoeira. Recentemente chegamos de Campina Grande na Paraíba e de Bauru-SP onde fizemos seis apresentações do espetáculo “Números” que teve grande aceitação por parte do público e atendeu várias comunidades carentes e distritos destas duas cidades.

Só pra concluir, quanto tempo tem já a companhia?  Daria pra citar estados (ou até outros países) por onde já se apresentaram??
A Cia. Os Palhaços de Rua completou 4 anos de existência, já realizamos 95 apresentações do espetáculo “Números” e já apresentamos nos estados do: Acre, Rondônia, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Ceará, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Paraná. Para ano que vem tem novidade internacional surgindo por aí…

Músico Frank Jorge realiza oficina sobre produção fonográfica em Londrina

A terceira rodada da oficina “Radioativismo e Produção Fonográfica” vai trazer para Londrina o ex-Cascaveletes e professor de História do Rock Frank Jorge para falar sobre suas experiências musical, acadêmica e na radiodifusão. O encontro é gratuito e ocorre nesta quinta (7) e sexta (8). A oficina é uma parceria da AlmA Londrina Rádio Web com o espaço do Movimento dos Artistas de Rua de Londrina (MARL).

24313073_1675160675861071_4990420879600339289_o

Frank Jorge vai é musico, escritor, apresentador de rádio e TV, professor e coordenador de curso acadêmico que oferece, entre outras disciplinas, aulas sobre Produção Fonográfica e História do Rock. Em Londrina, Frank Jorge vai falar sobre as experiências profissionais como músico, professor idealizador de um projeto inovador na Unisinos e ainda sobre História da Produção e Distribuição de Música (do analógico ao digital) e do uso do streaming aplicado ao Jornalismo Cultural.

A mais recente conquista do cantor foi abrir, em outubro deste ano, o show do beatle Paul McCartney em Porto Alegre, mas Frank Jorge tem uma longa e diversificada carreira. O marco foi em 1986, quanto passou a integrar a banda Os Cascavelletes, referência importantíssima do rock gaúcho ao lado de De Falla, TNT e Replicantes.

Ainda em 1986, passa a cursar Letras na PUC, reforçando o lado compositor e passando a transitar nos circuitos universitários e alternativos da música portoalegrense. Outro grupo marcante e considerado um dos precursores do rock independente no Brasil foi Graforréia Xilarmônica, banda criada em 1987 e que passa a integrar o casting do selo indie Banguela Records nos anos 1990.

Em 2006, Frank Jorge se insere na vida acadêmica como professor titular no curso de Formação de Produtores e Músicos de Rock da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Neste curso, os alunos aliam teoria e prática musical na produção de discos e organização de pequenos shows.

As oficinas formativas da Rádio AlmA são gratuitas e destinadas a produtores de conteúdo, estudantes e demais interessados em ingressar no universo da comunicação independente. O primeiro encontro, realizado em maio, tratou das oportunidades para abordagens regionais, com características de comunicação popular e comunitária nas redes online. Em junho, o segundo evento trouxe a documentarista Eliza Capai para falar de Midiativismo e Movimentos Sociais.


SERVIÇO
Oficina Radioativismo e Produção Fonográfica
07 e 08 de Dezembro – Canto do Marl
Horário: 19h30
Entrada Gratuita

 

Luis Mioto leva debate sobre cinema e memória para o Sesc

Nesta terça-feira, 5, a partir das 19h30, o diretor de cinema e pesquisador londrinense Luis Mioto apresenta o debate “Cinema, Memória e Sensibilização”, no espaço do Café Com Quê?, projeto que sedia debates e palestras no Sesc Cadeião Cultural. A conversa coloca em pauta os trabalhos de registro cinematográfico que Mioto realiza desde 2009 junto às comunidades periféricas de Londrina e propõe, a partir da sua filmografia, uma nova abordagem para a memória da cidade.

Mioto é também responsável pelo filme 'O Pequeno' produzido ao longo de 8 anos - Foto: Divulgação
Mioto é também responsável pelo filme ‘O Pequeno’ produzido ao longo de 8 anos – Foto: Divulgação

A conversa é aberta a todos os públicos e a participação é gratuita. Na oportunidade, Mioto ainda exibe ao público trechos de seus filmes, “Eg In: nossa casa” (2015), “Retalhos do chão, do corpo e do céu” (2013), “Saga Cidade” (2011), “Cinema, velho sonho” ( 2013).

Aliando a discussão política e a narrativa poética, Mioto discute os conceitos de Memória Periférica e Sensibilização, aplicadas ao cinema e ao documentário - Foto: Discussão
Aliando a discussão política e a narrativa poética, Mioto discute os conceitos de Memória Periférica e Sensibilização, aplicadas ao cinema e ao documentário – Foto: Discussão

Sobre – O projeto Café Com Quê? é uma iniciativa do Sesc que comtempla a realização de debates e palestras sobre arte, cultura, humanidades e temas afins. O circuito recebe, via edital, propostas da comunidade geral que, depois de selecionadas, são apresentadas ao público no espaço da Galeria de Artes do Cadeião, sempre nas noites de terça-feira. Os encontros acontecem sempre às 19h30 e são abertos ao público, com participação gratuita.